GP1

Segurança do prefeito de Corrente agride e atira contra jornalista

Em entrevista ao GP1, o repórter afirmou que estava aguardando a esposa no estacionamento do mercado quando foi agredido com socos e coronhadas.

NAYRANA MEIRELES

08/10/201717h29 - atualizado17h52

O ex-policial militar e atual segurança do prefeito Murilo Mascarenhas Ribeiro, Edilson Barreira Sales, tentou assassinar na tarde de sexta-feira (06), no Mercado Público do município de Corrente, o repórter e estudante de direito Cristiano Setrangni.

  • Foto: Facebook/Cristiano SetrangniCristiano SetrangniCristiano Setrangni

Em entrevista ao GP1, o repórter afirmou que estava aguardando a esposa no estacionamento do mercado quando foi agredido com socos e coronhadas. “Eu estava esperando em pé a minha esposa quando ele me pegou por trás e me deu uma porrada e quando eu virei ele [Edilson] apontou a arma em minha direção. Eu então chamei a polícia e, ao ver que eu estava com o celular, ele veio novamente para cima de mim, só que dessa vez com um banco de madeira”, disse.

Segundo Cristiano, o segurança tirou a arma novamente e lhe deu uma coronhada. “Ao me defender da coronhada eu acabei machucando a minha mão. Então depois das pessoas o afastarem, eu fui para a frente da freira com meu carro e abri a porta. Ele veio de novo em minha direção e disse que eu iria morrer”, afirmou.

  • Foto: DivulgaçãoJornalista é agredido por segurança do prefeito de CorrenteJornalista é agredido por segurança do prefeito de Corrente

O ex-policial militar atirou contra o repórter, que não foi atingido. A bala ficou alojada na porta do carro. Segundo Cristiano, havia cerca de 100 pessoas no local, quando o fato ocorreu e essa não é a primeira vez que ele foi ameaçado.

O repórter denuncia ainda que com a chegada da polícia os ânimos se acalmaram, no entanto, o agressor não foi vistoriado e nem sua arma apreendida. “Na delegacia foi constatado o tiro no meu veículo e também fiz o exame de corpo delito, mas o agressor ainda não foi preso”, completou.

De acordo com Cristiano, as motivações das ameaças e da tentativa de homicídio são políticas. “Eu trabalhei na campanha passada para o prefeito Jesualdo Cavalcanti. Essa gestão é oposição e nos quatro anos que se passaram a gestão atual moveu dezenas de processos contra a antiga prefeitura. E o fato de eu não ser apoiador desse atual governo pode ter motivado essa tentativa”, afirmou.

Vídeo

Em vídeo gravado pelo próprio jornalista, os policiais militares do município de Corrente recomendam que os envolvidos se dirijam à delegacia, mas segundo Cristiano, não tentam apreender a arma usada na agressão.

Outro lado

Procurado na tarde deste domingo (08), o prefeito de Corrente, Murilo Mascarenhas Ribeiro, não foi localizado para comentar o caso. O GP1 continua aberto para quaisquer esclarecimentos.