OPINIÃO

A chave para derrotar a covid-19 já existe; precisamos começar a usá-la

24/07/2020 10h24 - atualizado 10h29
  • Foto: Divulgação/YaleHarvey A. Risch, professor da Universidade de Yale Harvey A. Risch, professor da Universidade de Yale

Em artigo publicado na revista Newsweek, uma das maiores de Nova Yorque, nos Estados Unidos, o professor de epidemiologia da Universidade de Yale, Harvey A. Risch, destacou a eficácia da hidroxicloroquina no tratamento precoce de pessoas infectadas com o novo coronavírus (covid-19). Hervey A. Risch já escreveu mais de 300 publicações científicas e é membro de conselhos editoriais de revistas importantes.

Conforme o professor, a hidroxicloroquina no tratamento inicial da covid-19, mostra uma grande evolução nos pacientes quando administrada com os antibióticos azitromicina ou doxiciclina e o suplemento nutricional de zinco. Os questionamentos acerca da medicação, ainda segundo o profissional, não são um entendimento da ciência e sim político, já que se mostra marcador da identidade política de alguns líderes.

O professor diz ainda que os estudos que mostram que a hidroxicloroquina não foi eficaz no tratamento da doença não são confiáveis, tendo em vista que a medicação foi administrada quando os pacientes já se encontravam em estado grave. Harvey A. Risch destaca que a hidroxicloroquina é um antiviral e que antivirais não têm efeito quando utilizados após o vírus já ter tomado de conta do organismo.

Confira na íntegra o artigo do professor:

Como professor de epidemiologia na Escola de Saúde Pública de Yale, já escrevi mais de 300 publicações revisadas por pares e atualmente ocupo altos cargos nos conselhos editoriais de várias revistas importantes. Costumo acostumar-me a defender posições dentro da corrente principal da medicina, por isso fiquei confuso ao descobrir que, no meio de uma crise, estou lutando por um tratamento que os dados suportam totalmente, mas que, por razões que não têm nada a ver com um entendimento correto da ciência, foi empurrado para o lado de fora. Como resultado, dezenas de milhares de pacientes com COVID-19 estão morrendo desnecessariamente. Felizmente, a situação pode ser revertida com facilidade e rapidez.
Refiro-me, é claro, ao medicamento hidroxicloroquina. Quando este medicamento oral barato é administrado muito cedo no curso da doença, antes que o vírus tenha tido tempo de se multiplicar além do controle, ele se mostra altamente eficaz, especialmente quando administrado em combinação com os antibióticos azitromicina ou doxiciclina e o suplemento nutricional de zinco .

Em 27 de maio, publiquei um artigo no American Journal of Epidemiology (AJE) intitulado "Tratamento ambulatorial precoce de pacientes com COVID-19 sintomático e de alto risco que devem ser intensificados imediatamente como chave para a crise pandêmica". Esse artigo, publicado na principal revista de epidemiologia do mundo, analisou cinco estudos, demonstrando benefícios claros e significativos para os pacientes tratados, além de outros estudos muito amplos que mostraram a segurança dos medicamentos.

Os médicos que usam esses medicamentos em face do ceticismo generalizado têm sido verdadeiramente heróicos. Eles fizeram o que a ciência mostra que é melhor para seus pacientes, geralmente com grande risco pessoal. Eu mesmo conheço dois médicos que salvaram a vida de centenas de pacientes com esses medicamentos, mas agora estão lutando com conselhos médicos estaduais para salvar suas licenças e reputações. Os casos contra eles são completamente sem mérito científico.
Desde a publicação do meu artigo de 27 de maio, mais sete estudos demonstraram benefícios semelhantes. Em uma longa carta de acompanhamento, também publicada pela AJE, discuto esses sete estudos e renovo meu apelo pelo uso imediato imediato de hidroxicloroquina em pacientes de alto risco. Esses sete estudos incluem: mais 400 pacientes de alto risco tratados pelo Dr. Vladimir Zelenko, com zero mortes; quatro estudos totalizando quase 500 …