OPINIÃO

A habitual crítica da esquerda e os altos salários no Brasil

13/11/2018 21h00 - atualizado 21h00
  • Foto: DivulgaçãoJúlio César CardosoJúlio César Cardoso

Já se tornou habitual a oposição petista manifestar-se contrária a qualquer medida governamental que não seja de sua lavra, mesmo que positiva ao país. Vejam, por exemplo, a enxurrada de malhação do PT à reforma trabalhista implantada pelo atual governo, que veio corrigir distorções.

Antigamente não podia, gora qualquer empregado e empregador pode estabelecer as bases de trabalho e salário, sem interferência de sindicatos.

Os sindicatos pelegos não se conformam com a perda do poder de intromissão na relação trabalhista, da Era Vargas. Isso gerou consequentemente redução de receita dos sindicatos, que se locupletavam com o dinheiro dos trabalhadores.

Vejam alguns efeitos da reforma trabalhista, contestada apenas pelos reacionários petistas de sempre, e que colocam o país no rol daqueles com legislação trabalhista mais avançada: redução das ações trabalhistas, enfraquecimento financeiro dos sindicatos – verdadeiro antro de larápios trabalhistas – e baque nas negociações coletivas.

Os mesmos que contestam a atual reforma trabalhista hoje estão precipitadamente crucificando Jair Bolsonaro que se propôs a enxugar a quantidade de ministérios inoperantes e paquidermes, recrudescida no período do governo petista para acomodar os seus apaniguados políticos.

No entanto, o enxugamento de ministérios é uma necessidade contra a farra dos gastos públicos de Brasília, que consome demasiadamente o dinheiro do contribuinte e que faz muita falta ao social.

Os políticos birrentos da esquerda deveriam ter mais sensibilidade e responsabilidade com os gastos públicos, como também os demais parlamentares. Eles, por exemplo, não consideram exorbitantes os seus altos salários acrescidos de muitos penduricalhos e mordomias em relação àqueles trabalhadores que ganham muito menos.

Por que os parlamentares não propõem a redução de seus salários diante da crise financeira por que passamos, pois quem paga essa conta é justamente os pobres e a classe média?

Por que também não é proposto igualar os gastos parlamentares nacionais aos níveis adotados pelo Parlamento sueco, que dá ao mundo o exemplo de moralidade com os gastos públicos, por quê? E se não bastasse, o Senado aprovou por 41 votos a 16 o reajuste salarial (16,38%) dos ministros do STF, que passarão a receber R$ 39,2 mil, já prevendo se beneficiar igualmente do aumento, que virá naturalmente em cascata, na área pública. O presidente Michel Temer deveria vetar o intempestivo reajuste.

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor federal aposentado

Balneário Camboriú-SC

Mais conteúdo sobre: