Brasil

Alexandre de Moraes permite acesso de investigados ao inquérito das 'fake news'

Na próxima semana, o Supremo deve analisar dois processos relacionados ao inquérito das fake news.

Por  Estadão Conteúdo
03/06/2020 10h59 - atualizado 11h13

O ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito das fake news no Supremo Tribunal Federal (STF), assegurou o acesso de advogados de investigados aos autos das apurações sobre ofensas e ameaças a integrantes da Corte. Pelo fato do inquérito tramitar sob sigilo, os advogados terão de fazer agendamento junto ao gabinete de Alexandre para ter acesso à cópia digitalizada dos autos.

Em decisões dadas na sexta, 29, e na segunda, 1º, o relator deferiu pedidos formulados pelo ministro da Educação Abraham Weintraub e pela deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP), além de solicitações de Reynaldo Bianchi Júnior, Allan Lopes dos Santos, Bernardo Pires Kuster, Edgard Gomes Corona, Luciano Hang, Marcos Domingues Bellizia e Otavio Oscar Fakhoury – alvos da ofensiva da PF realizada na última semana.

A investigação fechou o cerco contra o chamado “gabinete do ódio”, grupo de assessores do Palácio do Planalto comandado pelo vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-PR), filho do presidente Jair Bolsonaro. Em uma operação determinada por Alexandre, a Polícia Federal apreendeu ontem documentos, computadores e celulares em endereços de 17 pessoas suspeitas de integrar uma rede de ataques a integrantes da Corte e convocou oito deputados bolsonaristas a depor.

Após habeas corpus impetrado pela OAB e reclamações das defesas, o ministro já havia divulgado uma nota na noite de segunda, 1º, indicando que foi autorizado ‘efetivo e integral’ conhecimento dos autos a todos os alvos das apurações sobre ‘ofensas e ameaças a integrantes do Supremo Tribunal Federal, ao Estado de Direito e a Democracia’, com a ‘obrigação da manutenção do sigilo’. Na noite desta terça, 2, foram divulgadas os despachos.

Na próxima semana, o Supremo deve analisar dois processos relacionados ao inquérito das fake news. Consta na pauta da próxima quarta, 10, do Plenário da Corte a análise de pedido do Procurador-Geral da República Augusto Aras para suspensão temporária das investigações, até que o Supremo estabeleça seus ‘contornos’.

Já na sexta, 12, tem início sessão virtual que inclui a apreciação do habeas corpus impetrado pelo ministro da Justiça André Mendonça em favor do ministro da Educação Abraham Weintraub e de aliados do presidente que foram alvo da operação da PF da última semana.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

CPI das Fake News identifica 2 milhões de anúncios do governo em canais de 'conteúdo inadequado'

Polícia Federal marca depoimentos de investigados no inquérito das fake news

Edson Fachin deixa com plenário decisão sobre inquérito das fake news

Senador Humberto Costa propõe barrar alvos do STF na CPI das Fake News

Mais conteúdo sobre: