Saúde

Anvisa diz que decisão de suspender vacina coronavac foi 'técnica'

De acordo com o protocolo da agência, regra prevê determinar a paralisação imediata em casos de evento adverso grave.

Por  Estadão Conteúdo
10/11/2020 14h27

O diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, afirmou nesta terça-feira, 10, que a decisão de suspender os testes da vacina Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Instituto Butantã para combater a covid-19, foi técnica. Segundo ele, as informações sobre um "evento adverso grave" com um dos pacientes enviadas pelo instituto eram incompletas e, de acordo com o protocolo da agência, a regra prevê determinar a paralisação imediata nestes casos.

"As informações foram consideradas incompletas, insuficientes para que continuasse permitindo o procedimento vacinal", disse Barra Torres."Quando temos eventos adversos nao esperados, a sequência de eventos é uma só: interrupção dos estudos. A responsabilidade é nossa, de atestar a segurança de uma vacina e sua eficácia. Que outra decisão é possível diante de um evento adverso grave não esperado e com informações incompletas? O protocolo manda que seja feita a interrupção do teste", afirmou o diretor, que é almirante e assumiu o cargo por indicação de Bolsonaro.

A Secretaria de Estado da Saúde considera que suicídio foi a causa provável da morte do voluntário da vacina coronavac, de acordo com as informações disponíveis até o momento, conforme o Estadão apurou com fontes da pasta. A informação foi confirmada também por outras pessoas familiarizadas com o caso. De acordo com o governo do Estado, é "impossível" que o fato esteja relacionado com a vacina.

Bolsonaro atribuiu à vacina chinesa casos de "morte, invalidez e anomalias" ao comentar a notícia em uma rede social. "Morte, invalidez, anomalia. Esta é a vacina que o Dória queria obrigar a todos os paulistanos tomá-la. O Presidente disse que a vacina jamais poderia ser obrigatória. Mais uma que Jair Bolsonaro ganha", publicou o presidente. O governo federal tem como principal aposta a vacina produzida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade Oxford.

Barra Torres rebateu qualquer suspeita sobre interferência política na decisão de suspender os testes. A paralisação ocorreu no mesmo dia em que o governo de São Paulo anunicou a chegada do primeiro lote da Coronavac no próximo dia 20. "A decisão é técnica. Não depende de aval de diretores", afirmou Barra Torres.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Anvisa interrompe testes da vacina chinesa no Brasil após ‘evento adverso grave’

Bolsonaro atribui 'morte, invalidez e anomalia' à vacina chinesa

Governo de SP considera suicídio a causa da morte de voluntário da coronavac

Indonésia diz que testes da Coronavac no país 'seguem normalmente'

Mais conteúdo sobre: