Economia e Negócios

Bolsonaro dá reajuste de até 25% para policiais do Distrito Federal

Medida era uma promessa de Bolsonaro ao governador Ibaneis Rocha (MDB-DF) e um dos obstáculos para a sanção do projeto de socorro aos Estados e municípios.

Por  Estadão Conteúdo
26/05/2020 17h26 - atualizado 17h27

O presidente Jair Bolsonaro editou nesta terça-feira, 26, medida provisória concedendo reajustes de 8% a 25% aos policiais civis e militares do Distrito Federal ao custo de R$ 505 milhões ao ano.

Os salários das polícias do DF são pagos com dinheiro da União por meio do Fundo Constitucional do Distrito Federal (FCDF).

O presidente encaminhou um projeto no início do ano para mudar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) e autorizar a recomposição salarial das carreiras custeadas pelo FCDF, inclusive com pagamento de retroativos a 1º de janeiro de 2020. O projeto que dava autorização para o aumento neste ano foi aprovado pelo Congresso.

Hoje Bolsonaro sancionou a MP com o reajuste em cerimônia na presença do presidente do Congresso, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP).

"O que foi feito hoje foi uma correção com a melhor polícia do País, foi a equiparação do salário, não foi um aumento", disse o vice-governador do Distrito Federal, Paco Britto (Avante).

Com o reajuste de até 25%, um agente da PM do Distrito Federal deverá ter, no início da carreira, um soldo de R$ 6.556, incluindo os penduricalhos. De longe, é o mais alto salário do País.

A medida será retroativa a 1° de janeiro e abrange as forças de seguranças dos ex-territórios federais Rondônia, Roraima e Amapá, desde que os militares da ativa ou da reserva tenham ingressado enquanto esses Estados ainda pertenciam à União.

"A lei era para fazer a previsão orçamentária. A medida provisória é a execução", acrescentou o ex-deputado Alberto Fraga (DEM-DF), amigo do presidente, que participou da cerimônia de assinatura da MP.

A medida era uma promessa de Bolsonaro ao governador Ibaneis Rocha (MDB-DF) feita no fim de 2019. Ela também era um dos obstáculos para a sanção do projeto de socorro aos Estados e municípios.

Como compensação ao socorro de R$ 60 bilhões a governadores e prefeitos, ficarão proibido aumentos para servidores públicos até o fim de 2021. O Congresso blindou uma série de carreiras, incluindo segurança pública, com o aval de Bolsonaro, ignorando recomendações da sua equipe econômica. Mas agora o presidente disse que vetará esse artigo para não desagradar ao ministro da Economia, Paulo Guedes.

Paco Brito agradeceu em nome do governador Ibaneis a "sensibilidade" de Bolsonaro por assinar a medida. Ibaneis passou por cirurgia na madrugada desta terça-feira. Segundo a assessoria, contudo, Ibaneis não precisou se licenciar e já está despachando.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Bolsonaro diz que pode sancionar até quarta projeto de socorro a Estados

Ministros militares de Bolsonaro agora negociam cargos com o Centrão

Mais conteúdo sobre: