Mundo

CIA: Putin comanda a interferência eleitoral para ajudar Donald Trump

A avaliação, na qual a agência tem confiança moderada, reforça as conclusões anteriores de que o presidente russo apoia a reeleição do presidente americano.

Por  Estadão Conteúdo
23/10/2020 11h17

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, provavelmente continuará aprovando e dirigindo as operações de interferência com o objetivo de aumentar as chances de reeleição do presidente Donald Trump, um recente análise concluída da Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA), um sinal de que as agências de inteligência continuam a apoiar sua avaliação das atividades russas, apesar dos ataques do presidente.

A avaliação foi divulgada em apoio às sanções impostas este mês a Andriy Derkach, um legislador ucraniano pró-russo que espalhou informações críticas a Joe Biden. É consistente com o aviso dos oficiais de inteligência aos legisladores em janeiro de que a Rússia estava interferindo em nome de Trump, um documento que indignou os republicanos e acabou ajudando a destituir Joseph Maguire de seu posto de diretor interino de inteligência nacional.

A CIA tem confiança moderada em sua análise, um grau de certeza mais baixo do que sua avaliação de 2016 das preferências de Putin, em parte porque a comunidade de inteligência parece não ter comunicações interceptadas ou outras evidências diretas confirmando sua direção dos esforços de Derkach. Putin, um ex-agente de inteligência, tem o cuidado de não usar dispositivos eletrônicos.

Segundo pessoas a par do assunto, a nova análise foi publicada antes das sanções da CIA Worldwide Intelligence Review, um documento confidencial que circula entre membros do Congresso e a administração Trump. O Washington Post relatou anteriormente a avaliação.

A de Putin, disseram autoridades de segurança nacional, não deve ser surpresa. A Rússia se tornou um país autoritário sob seu governo, e pouco ocorre em suas relações exteriores sem seu conhecimento ou aprovação, dizem autoridades americanas repetidas vezes.

Os esforços russos para influenciar a política americana têm continuado de forma constante desde 2016, mesmo que o volume de desinformação tenha diminuído e diminuído. Mas o nível mais baixo de confiança da CIA na nova avaliação permite que Trump e seus aliados tratem as alegações do envolvimento de Putin como não comprovadas.

Por anos, muitos republicanos questionaram a análise da interferência russa feita pela CIA. John Ratcliffe, o diretor de inteligência nacional, que apoiou abertamente Trump enquanto era membro do Congresso, e outros republicanos argumentaram que o objetivo de Putin é semear o caos, não favorecer um candidato em detrimento de outro.

E o próprio Trump permanece hostil aos argumentos de que a Rússia está intervindo para apoiá-lo. Após o diretor do FBI, Christopher A. Wray, testemunhar na semana passada que a Rússia estava tentando semear a discórdia nos Estados Unidos e "desonrar Biden", Trump o repreendeu publicamente, dizendo que também deveria ter enfatizado os esforços de interferência eleitoral da China.

Funcionários da inteligência americana dizem que, embora a China se oponha à reeleição de Trump, Pequim não montou esforços secretos significativos para dificultar a campanha do presidente.

Mas funcionários da inteligência disseram que há poucas dúvidas de que Putin está orquestrando amplamente as campanhas russas e continua permitindo que seus agentes de inteligência tentem influenciar a política americana.

As principais questões que as agências de inteligência americanas não responderam são a extensão do esforço da Rússia e o quão aberto Putin deseja ser sobre isso.

Em um comunicado em agosto, William R. Evanina, o oficial de inteligência encarregado dos briefings de interferência eleitoral, disse que a Rússia estava tentando influenciar a eleição atacando Biden. Evanina citou informações divulgadas por Derkach.

Evanina foi escalado para informar os membros dos comitês de inteligência do Congresso nesta semana. Ratcliffe tentou bloquear o testemunho pessoal ao Congresso, citando vazamentos. Mas, diante das críticas de republicanos e democratas, Ratcliffe mudou sua posição para bloquear apenas detalhes de documentos secretos.

Alguns funcionários disseram que a avaliação da CIA demonstra que a agência continua disposta a promover inteligência com a qual Trump discorda. Seu governo também tomou medidas para tentar aumentar a conscientização sobre as atividades russas.

O Departamento do Tesouro em 10 de setembro descreveu Derkach como "um agente russo ativo" com ligações com os serviços de inteligência de Moscou e disse que ele estava envolvido em esforços para influenciar as eleições. Ele divulgou fitas adulteradas de Biden que, segundo autoridades americanas, foram editadas para enganar o público.

As agências de inteligência americanas tentaram rastrear seus esforços para empurrar informações críticas sobre Biden para lobistas e membros do Congresso, informações que foram incluídas na avaliação da CIA, segundo uma pessoa a par do assunto. Derkach nega que trabalhe em nome da Rússia.

O presidente defendeu várias teorias sobre o envolvimento da Ucrânia nas eleições de 2016 e apoiou os esforços para levantar questões sobre o trabalho que o filho de Biden fez para uma empresa de energia ucraniana, ou seja, uma investigação do Senado liderada pelo senador Ron Johnson, republicano de Wisconsin, que democratas alertaram é o alvo da desinformação russa.

A campanha de Biden criticou os republicanos no Congresso por investigarem seus laços com a Ucrânia e o trabalho de seu filho para a empresa de energia. Na terça-feira, Andrew Bates, um porta-voz de Biden, disse que alguns membros do Congresso "escolheram ser cúmplices das operações de influência estrangeira" e atacaram a política de Trump na Rússia.

“Como Joe Biden disse há meses, é absolutamente claro quem Vladimir Putin deseja ganhar esta eleição - porque a política externa de Donald Trump foi um presente para o Kremlin”, disse Bates.

Rudolph Giuliani, o advogado pessoal do presidente que liderou os esforços para reunir informações sobre o trabalho de Biden na Ucrânia, obteve informações de Derkach. No entanto, a análise da CIA não citou Giuliani pelo nome, segundo uma pessoa familiarizada com o assunto.

Mais conteúdo sobre: