Mundo

Colômbia ensaia quarentena com mais da metade da população

País teve 145 casos detectados desde o dia 6 de março; presidente ordenou fechamento das fronteiras e proibição de voos internacionais a partir da próxima segunda-feira.

Por  Estadão Conteúdo
21/03/2020 11h27

Quase 25 milhões de pessoas – mais da metade da população – estão em quarentena vigiada na Colômbia, ensaiando uma medida que deve atingir todo o território nos próximos dias, em face da nova pandemia de coronavírus.

Claudia López, prefeita de Bogotá, capital do país, lidera a iniciativa, que foi iniciada à meia-noite de quinta-feira, 19, e vai até a meia-noite da próxima terça-feira, 24.

Simultaneamente, o isolamento obrigatório de maiores de 70 anos entrou em vigor e deve durar até o dia 31 de maio em todo o território, por ordem do governo nacional.

Parmenio Vinasco, 83 anos, refugiou-se na fazenda de um parente em Peñalisa, um município perto de Bogotá. Ele contou à agência AFP que sua família estava "com medo de que eu ficasse em Bogotá, que de repente eu não prestasse atenção e andasse por aí".

Vinasco também acredita que o governo demorou a "tomar medidas mais drásticas" para enfrentar a pandemia.

Além da capital, onde vivem cerca de sete milhões de habitantes, as regiões de Cundinamarca, Meta, Boyacá e Santander aderiram à quarentena.

À noite, Antioquia e Valle del Cauca, e suas capitais Medellín e Cali, segunda e terceira maiores cidades do país, respectivamente, também participarão. Pouco mais da metade dos 48 milhões de colombianos permanecem em quarentena.

"Este é o momento certo, antes de termos um contágio massivo; antes de estarmos em uma grande emergência", disse López.

Com 145 casos detectados desde 6 de março, nenhum fatal, a Colômbia tem se protegido contra a pandemia. O presidente Iván Duque ordenou o fechamento das fronteiras e a proibição de voos internacionais a partir de segunda-feira, além da suspensão de grandes eventos e das atividades de bares e clubes.

No entanto, diferentemente de outros países, ele não recorreu ao toque de recolher ou ao confinamento geral, embora as autoridades acreditem que é questão de dias para que o último ocorra.

Em um primeiro balanço, o gabinete do prefeito de Bogotá registrou 216 sanções pelo não cumprimento do decreto de quarentena, variando de multas a prisão.

Antes do início da medida, havia engarrafamentos em uma das saídas de Bogotá. Muitos foram para fazendas próximas por medo ou cautela diante de um surto de casos na capital, onde a maioria das infecções está registrada.

Mais conteúdo sobre: