Mundo

Como a Nova Zelândia congelou os casos de coronavírus no país?

Governo adotou confinamento quase total, faz testes em massa e controla a chegada de estrangeiros; País de 4,7 milhões de habitantes tem 1239 casos confirmados e apenas uma morte.

Por  Estadão Conteúdo
09/04/2020 14h18 - atualizado 14h20

Faz menos de duas semanas desde que a Nova Zelândia impôs um confinamento rigoroso por causa da pandemia de coronavírus. Nadar na praia e caçar em áreas arborizadas foram atividades proibidas, porque não são atividades essenciais. Os cidadãos foram instruídos a não fazer nada que possa desviar os recursos dos serviços de emergência.

As pessoas andam de bicicleta estritamente em seus bairros; são obrigadas a se alinhar a um metro e meio de distância de cada uma em filas dos supermercados enquanto esperam para entrar no local; as escolas estão fechadas e as crianças tem aulas em casa.

Levou apenas 10 dias para que os sinais de que a abordagem no país - “eliminação” do contágio, em vez do objetivo de "contenção" dos Estados Unidos e de outros países ocidentais - está funcionando.

O número de novos casos caiu por dois dias consecutivos, enquanto o número de testes se multiplicou. Houve 54 casos confirmados na terça-feira. Isso significa que o número de pessoas que se recuperaram, 65, excede o número de infecções diárias. Hoje o país tem 1.239 casos confirmados.

Após atingir o pico de 89 infecções diárias em 2 de abril, o número diário de novos casos chegou a 67 na segunda-feira e 54 na terça-feira. A grande maioria dos casos pode ser vinculada a viagens internacionais, tornando o rastreamento de contatos relativamente fácil, e muitos são mantidos em locais identificáveis.

Por haver poucas evidências de transmissão comunitária, a Nova Zelândia não possui um grande número de pessoas sobrecarregando hospitais. Apenas uma pessoa, uma mulher idosa com problemas de saúde pré-existentes morreu.

"Os sinais são promissores", afirmou Ashley Bloomfield, diretora geral de saúde da Nova Zelândia. Os resultados rápidos levaram a pedidos para reduzir o bloqueio, mesmo que um pouco, para o feriado de Páscoa de quatro dias, especialmente com o término do verão.

Mas a primeira-ministra Jacinda Ardern está convencida de que a Nova Zelândia completará quatro semanas de bloqueio - dois ciclos completos de incubação de 14 dias - antes de relaxar o confinamento.

Como a Nova Zelândia, um país que ainda chamo de lar depois de 20 anos no exterior, controlou seu surto tão rapidamente?

Quando cheguei aqui há um mês, viajando do epicentro da pandemia na China, atravessando a Coreia do sul, também um foco da pandemia na Ásia, fiquei chocada ao saber que as autoridades não mediram minha temperatura no aeroporto. Disseram-me simplesmente para eu me auto-isolar por 14 dias (o que eu fiz).

Mas com o coronavírus varrendo a Itália e se espalhando pelos Estados Unidos, a Nova Zelândia, um país fortemente dependente do turismo, que recebe 4 milhões de visitantes internacionais por ano (quase o número da população total), fez o impensável: fechou suas fronteiras para estrangeiros em 19 de março.

Dois dias depois, Ardern fez um discurso televisionado de seu escritório - a primeira vez desde 1982 que um discurso do tipo foi feito - anunciando um plano de alerta de resposta a pandemia do coronavírus envolvendo quatro estágios, com um bloqueio total no nível 4.

No dia seguinte, um grupo de líderes influentes do país, entre empresários e políticos, telefonou para ela para pedir a mudança para o nível 4.

"Estávamos extremamente preocupados com o que estava acontecendo na Itália e na Espanha", disse um deles, Stephen Tindall, fundador do Warehouse, o maior varejista da Nova Zelândia.

"Se não parássemos com rapidez suficiente, a dor continuaria por muito tempo", disse ele em entrevista por telefone. "É inevitável que tenhamos que desligar de qualquer maneira, por isso preferimos que seja rápido e preciso".

Em 23 de março, segunda-feira, Ardern fez outra declaração e deu ao país 48 horas para se preparar para um bloqueio de nível 4. "Atualmente, temos 102 casos", disse ela. "Mas a Itália também fez isso uma vez."

A partir daquela quarta-feira à noite, todos tiveram que ficar em casa por quatro semanas, a menos que trabalhassem serviços essenciais como assistência médica, ou fossem ao supermercado. Exercícios perto de casa também estavam liberados.

Algumas horas antes da meia-noite, meu telefone tocou uma sirene ao emitir um alerta de texto: “Aja como se você tivesse o covid-19. Isso salvará vidas”, dizia o texto, referindo-se à doença causada pelo novo coronavírus. “Vamos fazer a nossa parte para nos unirmos contra o covid-19”.

Desde os primeiros estágios, Ardern e sua equipe falaram em linguagem simples: fique em casa. Não tenha contato com ninguém fora da "bolha" de sua casa. Seja gentil. Estamos juntos nessa.

Ela costuma fazer isso nas entrevistas coletivas, onde discute tudo, desde o preço das couves-flores aos subsídios salariais. Mas ela também atualiza a população regularmente e responde a perguntas no Facebook, incluindo uma feita enquanto estava sentada em casa - possivelmente em sua cama - vestindo um moletom.

Houve críticos e rebeldes. A polícia ordenou que os surfistas saíssem das ondas. O ministro da saúde foi pego andando de bicicleta na montanha e levando sua família à praia. Ele foi castigado publicamente por Ardern, que disse que ela o teria demitido se não fosse prejudicial à resposta à crise.

Mas houve um senso de propósito coletivo. A linha telefônica da polícia para não-emergências foi sobrecarregada com pessoas que ligam para avisar que outras pessoas estão violando as regras.

A resposta foi notavelmente apolítica. O Partido Nacional, de centro-direita, tomou uma decisão de não criticar a resposta do governo - e de fato ajudá-la. Esses esforços parecem estar valendo a pena.

Desacelaração da contaminação por coronavírus

O início da desaceleração refletiu "um triunfo da ciência e da liderança", disse Michael Baker, professor de saúde pública da Universidade de Otago e um dos principais epidemiologistas do país.

"A premiê abordou isso de forma decisiva e inequívoca e enfrentou a ameaça", disse Baker, que defendia uma abordagem de "eliminação" desde a leitura de um relatório da Organização Mundial da Saúde sobre a China, em fevereiro.

"Outros países tiveram um aumento gradual, mas nossa abordagem é exatamente o oposto", disse ele. Enquanto outros países ocidentais tentaram retardar a doença e “achatar a curva”, a Nova Zelândia tentou acabar com ela completamente.

No caso da Nova Zelândia, ser uma pequena nação insular facilita o fechamento de fronteiras. Também ajuda que o país pareça frequentemente uma vila, onde todos conhecem todos os outros, para que as mensagens possam viajar rapidamente.

O próximo desafio da Nova Zelândia: depois que o vírus é eliminado, como mantê-lo dessa maneira?

O governo não poderá permitir a entrada livre de pessoas na Nova Zelândia até que o vírus pare de circular globalmente ou se desenvolva uma vacina, disse Baker.

Mas com um rígido controle nas fronteiras, as restrições poderiam ser gradualmente relaxadas e a vida na Nova Zelândia poderia voltar ao normal.

Ardern disse que seu governo está considerando quarentena obrigatória para os neozelandeses que retornam ao país após o confinamento. "Eu realmente quero um sistema estanque em nossa fronteira", disse ela nesta semana, "e acho que podemos fazer isso."