Política

Elmano Férrer cede à pressão e retira assinatura da CPI da Lava Toga

Com o recuo de Elmano, não há assinaturas suficientes para a abertura da CPI, que precisa contar com o apoio de 27 senadores e agora passa a ter apenas 26 nomes.

Wanessa Gommes
Teresina
19/09/2019 14h23 - atualizado 16h27

O senador Elmano Férrer (Podemos) cedeu à pressão do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM), e retirou sua assinatura do pedido de instauração da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Lava Toga. A informação foi divulgada, nesta quinta-feira (19), pelo site O Antagonista.

Com o recuo de Elmano, não há assinaturas suficientes para a abertura da CPI, que precisa contar com o apoio de 27 senadores e agora passa a ter apenas 26 nomes.

  • Foto: Helio Alef/GP1Elmano FérrerElmano Férrer

A CPI tem como objetivo investigar ‘condutas ímprobas, desvios operacionais e violações éticas' por parte dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) e por membros de tribunais superiores.

No último sábado (14), em entrevista ao GP1, Elmano Férrer confessou que estava sofrendo pressão para retirar a assinatura, no entanto, afirmou que era o 27º signatário do pedido de instalação da CPI.

Outro lado

O senador Elmano Férrer não foi localizado pelo GP1.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Elmano é pressionado para retirar assinatura da CPI da Lava Toga

Elmano Férrer deve ser 27º senador a assinar CPI da Lava Toga

Flávio Bolsonaro trabalha para impedir a CPI da Lava Toga

Alcolumbre arquiva pedido de instalação da CPI da Lava Toga