São João do Piauí - PI

"Essa decisão foi injusta e infeliz", diz Gil Carlos sobre cassação

"Acredito no bom senso, na isenção e acima de tudo, na legalidade do colegiado do TRE que irá perceber que nós não cometemos nenhuma ilegalidade. Essa decisão deverá ser reformada”, acredita ele.

Germana Chaves
Teresina
19/12/2017 21h46 - atualizado 21h53

O presidente da Associação Piauiense de Municípios (APPM), o prefeito de São João do Piauí, Gil Carlos (PT) chamou de injusta e infeliz a decisão do juiz eleitoral da 20ª Zona, Maurício Machado Queiroz Ribeiro que o cassou, juntamente com o vice, Dante Ferreira, por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2016.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Gil CarlosGil Carlos

“Essa decisão da Comarca de São João do Piauí foi injusta, foi infeliz, porque primeiro, não há nenhuma acusação de desvio de recurso, de beneficiamento de alguma pessoa com interesse eleitoreiro, de contratação irregular, de alguma coisa que viesse ferir de maneira clara as leis eleitorais. Nós mantivemos as ações, os programas, as obras, dando continuidade dentro da normalidade. Mas, não inauguramos obras, não visitamos obras, não vinculamos isso na campanha eleitoral. Portanto, foi uma decisão injusta. E é com essas fundamentações que os nossos advogados entrarão com recurso. Acredito no bom senso, na isenção e acima de tudo, na legalidade do colegiado do TRE que irá perceber que nós não cometemos nenhuma ilegalidade. Essa decisão deverá ser reformada”, acredita Gil Carlos.

O juiz julgou procedentes duas ações de Impugnação de Mandato Eletivo, uma ajuizada pela coligação O Poder é do Povo, por meio de seu representante, e o candidato a prefeito nas eleições de 2016, José Alexandre Costa Mendonça e a outra ajuizada pelo Ministério Público Eleitoral.