Teresina - PI

Estudantes de instituições federais protestam na Frei Serafim

Os alunos protestaram contra o bloqueio de 30% de verbas anunciado pelo Ministério da Educação no início do mês.

Jonas Carvalho
Teresina
Laura Moura
Teresina
15/05/2019 13h29 - atualizado 16h21

Estudantes e professores da rede de educação superior foram às ruas de Teresina na manhã desta quarta-feira (15) para protestar contra o bloqueio de 30% de verbas anunciado pelo Ministério da Educação no último primeiro de maio. Discentes da educação básica do Estado também participaram da manifestação. Além disso, o ato movimenta-se contra a projeto de Reforma da Previdência.

O ato teve concentração em frente ao INSS da Praça Rio Branco e seguiu em marcha até a Igreja de São Benedito, no centro da cidade. Paulina Almeida, presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação, disse em entrevista ao GP1 que o movimento se difunde por todo o país contra o contingenciamento de verbas destinadas à educação.

“A manifestação é em todo o país e aqui no Piauí não poderia ser diferente. Uma grandiosa manifestação que tem o objetivo de lutar contra a reforma da previdência e contra os cortes na educação básica e superior. Então, também é um repúdio contra o governador do estado que não tem feito a valorização necessária aos trabalhadores em educação do estado do Piauí”, disse.

  • Foto: Andressa Martins/GP1Estudantes se mobilizam contra cortes na educaçãoEstudantes se mobilizam contra cortes na educação

Também estiveram presentes na manifestação alunos e professores da Universidade Federal do Piauí que participaram do ato reivindicando o bloqueio de R$ 33 milhões dos cofres da instituição. O valor contido seria destinado ao débito das contas de água, esgoto, luz e internet, além do corte de 40% no quadro de funcionários terceirizados.

  • Foto: Andressa Martins/GP1Manifestação no centro de TeresinaManifestação no centro de Teresina

A mestranda em Comunicação Social, Isadora Nascimento, revelou que a UFPI sofre com a ausência de estrutura adequada e informa que o bloqueio afetará diretamente no desenvolvimento de pesquisas financiadas pela universidade.

“A gente sofre com a falta de infraestrutura, com a falta de equipamentos, laboratórios sucateados. Na universidade pública, nós fazemos pesquisas de ensino, pesquisa e extensão, não fazemos balburdia como eles querem demonstrar”, declarou.

  • Foto: Andressa Martins/GP1Estudantes participam de manifestação contra cortes na educaçãoEstudantes participam de manifestação contra cortes na educação

Entenda o caso

No feriado de primeiro de maio, o Ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou o bloqueio orçamentário de 30% nas redes de educação federais. Contudo, o contingenciamento deve afetar a desenvoltura nos trabalhos das instituições ligadas aos estado da federação e que tinham verbas federais a receber.

Embora seja de responsabilidade do governador Wellington Dias (PT), a Universidade Estadual do Piauí também deve ser afetada com o contingenciamento. Somente R$ 5 milhões devem cair nas contas UESPI, dos R$ 15 milhões esperados para o ano, frutos de emendas parlamentares da bancada federal do Piauí.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Arimatéia Dantas diz que UFPI pode parar de funcionar ainda em 2019

Bloqueio das universidades federais chega a R$ 2,2 bilhões