Mundo

EUA dizem não concordar com ajuda do G-7 ao Brasil para Amazônia

Segundo porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Garrett Marquis, a forma mais construtiva de auxiliar os esforços é em coordenação com o governo brasileiro.

Por  Estadão Conteúdo
29/08/2019 07h38

O governo dos Estados Unidos disse, nesta quarta-feira, 28, que não concorda com a ajuda de US$ 20 milhões, o que equivalente a R$ 83 milhões, oferecida pelo G-7 ao Brasil para combater os incêndios que se alastram pela Amazônia nas últimas semanas.

"Não concordamos com a iniciativa do G-7 que não incluiu consultas com (o presidente)Jair Bolsonaro. A forma mais construtiva de auxiliar os esforços em andamento do Brasil é em coordenação com o governo brasileiro", afirmou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, Garrett Marquis, em mensagem postada no Twitter.

O Brasil já havia recusado o auxílio financeiro oferecido pelo G-7 em anúncio feito pelo presidente da França, Emmanuel Macron.

Em um primeiro momento, Bolsonaro disse que só aceitaria a ajuda se ela viesse acompanhada de um pedido de desculpas de Macron por tê-lo chamado de mentiroso. Depois, o Palácio do Planalto não incluiu o pedido nas condições estabelecidas pelo governo brasileiro para aceitar o dinheiro disponibilizado pelo G-7.

Questionado por vários líderes mundiais sobre uma possível omissão do Brasil no combate aos incêndios na Casa Branca, Bolsonaro ganhou o apoio de Trump, que elogiou o trabalho do governo na crise.

"Cheguei a conhecer bem o presidente Bolsonaro nas nossas relações com o Brasil. Ele está trabalhando muito duro nos incêndios da Amazônia e, em todos os aspectos, está fazendo um grande trabalho para as pessoas do Brasil", disse Trump no Twitter.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Com presidente do Chile, Bolsonaro anuncia encontro para discutir Amazônia

Fumaças de incêndios na Amazônia chegam ao Uruguai

Itamaraty aceita ajuda de 10 milhões de libras do Reino Unido para Amazônia