Teresina - PI

Fábio Abreu propõe instalação do botão do pânico nos ônibus

Enquanto isso, foi decidido que não haverá paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus, prevista para acontecer amanhã.

Brunno Suênio
Teresina
27/02/2020 17h48 - atualizado 18h11

Reunião na secretaria de segurança em Teresina Piauí

A Secretaria de Segurança Pública do Estado do Piauí apresentou a proposta ao Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Passageiros de Teresina (Setut) para implantação do botão do pânico nos ônibus da Capital, a fim de reduzir os índices de assaltos ocorridos nos coletivos nos primeiros meses deste ano.

Durante reunião ocorrida no final da manhã desta quinta-feira (27), que contou com representantes do Sintetro, Setut, Câmara Municipal de Teresina, Polícia Militar, Polícia Civil e Sejus, foi decidido que não haverá paralisação dos motoristas e cobradores de ônibus, prevista para acontecer amanhã, que tinha como objetivo chamar atenção das autoridades quanto a insegurança denunciadas pelos profissionais rodoviários.

O secretário de Segurança, Fábio Abreu, ressaltou que o Setut vai se posicionar sobre a proposta na próxima quinta-feira (05).

“Conversamos com o sindicato [Sintetro], que suspendeu o movimento que estava marcado para sexta-feira (28), até que o Setut defina com um aceno positivo [quanto à implantação do botão do pânico] e, consequentemente, nós teremos uma situação de redução dessas ocorrências no nosso município. Nós temos praticamente todos os taxistas utilizando o botão do pânico, que tem dado resultado e isso, no sistema de transporte coletivo, que tem linhas definidas, nós teremos um sucesso maior”, explicou o secretário de Segurança Pública do Piauí.

De acordo com o Sindicato dos Trabalhadores de Transporte Rodoviário do Piauí (Sintetro-PI), do início do ano até a última quarta-feira (26), a categoria contabilizou 36 assaltos ocorridos no interior dos ônibus que circulam em Teresina, número que foi contestado pelo próprio secretário de Segurança em recente entrevista ao GP1.

Mais conteúdo sobre: