Política

Flávio Bolsonaro nega depósito de Fabrício Queiroz a sua esposa

A partir de quebras de sigilos bancários, Ministério Público do Rio identificou pagamento de R$ 25 mil em espécie na conta de Fernanda Bolsonaro em 2011 e atribuiu transação ao ex-assessor.

Por  Estadão Conteúdo
10/08/2020 16h40 - atualizado 16h41

O senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) negou que ele ou seus familiares tenham recebido dinheiro do ex-assessor Fabrício Queiroz ou de outros servidores lotados em seu gabinete na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) durante os mandatos como deputado estadual.

Em depoimento ao Ministério Público do Rio de Janeiro no dia 7 de julho, o filho mais velho do presidente, disse desconhecer a origem de um depósito de R$ 25 mil em dinheiro na conta de sua mulher, Fernanda Bolsonaro, em agosto de 2011. Para os promotores, a transação, identificada através de quebras de sigilos bancários, partiu do ex-assessor.

“Não sei a origem do dinheiro. Mas dá uma checada direitinho que eu tenho quase certeza que não deve ter nada a ver com Queiroz. Queiroz nunca depositou dinheiro na conta da minha esposa, pelo que eu saiba”, afirmou Flávio em áudio obtido por O Globo e confirmado pelo Estadão.

De acordo com o jornal, o Ministério Público do Rio de Janeiro suspeita que o dinheiro tenha sido usado para dar entrada no apartamento comprado pelo casal no mesmo ano. Além do depósito de Queiroz, Fernanda teria recebido outro pagamento de uma pessoa que teve a identidade protegida.

No pedido de prisão preventiva de Queiroz, os promotores já haviam apontado que o ex-assessor parlamentar teria custeado despesas pessoais do antigo chefe. O ex-policial militar é tido pelos investigadores como uma espécie de operador financeiro do ‘filho 01’ do presidente.

De acordo com as investigações, Queiroz transferia parte dos recursos para o ‘patrimônio familiar’ de Flávio através de depósitos fracionados e do pagamento de despesas pessoais do ex-deputado e de sua família.

Os investigadores detectaram pelo menos 116 boletos bancários referentes ao custeio do plano de saúde e das mensalidades escolares das filhas de Flávio e de Fernanda com dinheiro em espécie ‘não proveniente’ das contas do casal. Para os promotores, as despesas no valor total de R$162 mil podem ter sido quitadas por Queiroz.

O senador admitiu que o ex-assessor fez pagamentos em dinheiro vivo em seu nome, mas nega qualquer ato ilícito e sustenta que os pagamentos foram feitos a mando dele e com dinheiro dele.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Flávio Bolsonaro pede troca de promotores do caso Queiroz

Flávio Bolsonaro nega ter sido avisado sobre operação da PF

Flávio Bolsonaro depõe nesta segunda sobre acusação de vazamento de operação

Flávio Bolsonaro pede ao STF arquivamento de ação no caso das 'rachadinhas'