Piauí

Gildásio Guedes nega irregularidades em candidatura a reitoria da UFPI

Gildásio Guedes e Viriato Campelo, que disputaram a reitoria da UFPI, estão sendo alvo de acusações por parte de outra chapa que participou do processo eleitoral.

Thais Guimarães
Teresina
03/09/2020 20h06 - atualizado 20h07

Os professores Gildásio Guedes e Viriato Campelo, que disputaram a reitoria da Universidade Federal do Piauí (UFPI) e obtiveram maior número de votos na consulta acadêmica, estão sendo alvo de acusações por parte de outra chapa que participou do processo eleitoral. A advogada dos docentes procurou o GP1 nesta quinta-feira (03), e esclareceu que não há irregularidades que justifiquem a menção de Gildasio e Viriato na ação judicial em questão.

A ação, que tramita na Justiça Federal, foi proposta no dia 31 de agosto pelos professores Marcus Sabry Azar Batista e Antônio Airton Carneiro, integrantes da chapa “UFPI Meritocracia”.

  • Foto: Divulgação/AscomGildásio Guedes e Viriato CampeloGildásio Guedes e Viriato Campelo

No processo, Marcus Sabry e Antônio Airton pedem a impugnação da chapa “Experiência, Educação e Compromisso”, de Gildásio Guedes e Viriato Campelo. A justificativa é que os professores não teriam se afastado dos cargos de chefia que ocupavam na instituição, nem das cadeiras que ocupavam no Conselho Universitário (Consun), órgão máximo deliberativo da UFPI.

De acordo com a advogada Nina Carvalho, que representa Gildásio e Viriato, ambos os professores podem comprovar que se afastaram das funções de chefia que exerciam, o que é atestado pelo desconto que tiveram em seus contracheques de valores referentes aos cargos comissionados.

“Ambos os professores tiveram descontados de seus contracheques o salário integral referentes aos cargos de comissão. Um, diretor do Centro de Educação à Distância [Gildásio]. O outro, diretor do Centro de Ciências da Saúde (CCS) [Viriato]”, explicou a advogada.

Em nota, o professor Gildásio Guedes disse estar tranquilo, pois, segundo ele, resta comprovado que não há irregularidades em sua candidatura. “O candidato derrotado Marcus Sabry segue polemizando. Agora ele quer envolver a todos, até o concorrente mais votado na consulta, Gildásio Guedes, citando-o em um contexto sem rumo. Não deve dar em nada, porque os candidatos Gildásio e Viriato cumpriram todos os ritos necessários para estarem presentes na consulta, tais como: afastamento em tempo hábil, apresentação da prestação de contas e salários descontados nos contracheques”, declarou.

A eleição para reitoria da UFPI está suspensa desde o dia 25 de agosto, após decisão do juiz Brunno Christiano Carvalho Cardoso, que suspendeu cautelarmente os trâmites do processo eleitoral. O despacho foi proferido nos autos do mandado de segurança impetrado pela professora Sandra Lima de Vasconcelos Ramos.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

UFPI: pedida a impugnação das chapas de André Macêdo e Nadir Nogueira

Justiça Federal suspende processo eleitoral da UFPI

Arimatéia Dantas nega favorecimento a candidato na eleição da UFPI