Economia e Negócios

Governo tem que cortar até R$ 26 bilhões em despesas em 2018

Para fazer um corte menor, governo precisa conseguir aprovar no Congresso redução das despesas obrigatórias, diz secretária Ana Paula Vescovi.

Nayrana Meireles
Teresina
27/12/2017 09h12 - atualizado 09h14

A secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, afirmou nesta terça-feira (26), que sem a aprovação de medidas para reduzir as despesas obrigatórias, como o adiamento do reajuste dos servidores, o Governo terá que cortas R$ 26 bilhões em despesas discricionárias, para cumprir o teto de gastos em 2018.

Segundo o relatório das contas do governo, sem a aprovação no Congresso das medidas propostas pelo Governo, as despesas obrigatórias de 2018 teriam que ser R$ 26 bilhões menores que em 2017. Se aprovadas essas medidas, essa redução seria de R$ 19 bilhões.

  • Foto: Facebook/Ana Paula Vescovina Paula Vescovina Paula Vescovi

De acordo com informação do G1, além do adiamento do reajuste dos servidores, outra medida que o Governo também espera a aprovação é a da reoneração da folha de pagamento de setores empresariais, a fim de reduzir as despesas obrigatórias. Já as despesas discricionárias incluem, por exemplo, os investimentos feitos pelos ministérios, incluindo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), o programa Minha Casa Minha Vida, bolsas de estudo e manutenção de rodovias.

Mais conteúdo sobre: