Mundo

Greve geral na Argentina afeta transporte, bancos e órgãos públicos

Sindicatos protestam contra a crise no país, que enfrenta recessão econômica, inflação elevada, desemprego em alta e aumento na pobreza.

Por  Estadão Conteúdo
30/04/2019 11h13

Desde a zero hora desta terça-feira, 30, a Argentina tem uma greve geral, convocada por sindicalistas contra o governo. A intenção dos líderes sindicais é realizar uma manifestação diante da Casa Rosada a partir das 13h (de Brasília) contra a administração do presidente Mauricio Macri.

De acordo com a agência estatal Télam, o metrô não está funcionando, bem como cerca de 80 linhas de ônibus, sobretudo oriundas do sul da região metropolitana. Também são afetados voos nacionais e internacionais, a atividade bancária e a administração pública.

  • Foto: AP Photo/Natacha PisarenkoGreve geral na ArgentinaGreve geral na Argentina

Há ainda paralisações parciais em escolas, hospitais públicos, na coleta de lixo e dos caminhoneiros, diz a agência.

Ao meio-dia, deve haver uma marcha na Praça de Maio. Os sindicatos protestam contra a crise no país, que enfrenta recessão econômica, inflação elevada, desemprego em alta e aumento na pobreza.

Além disso, a crise se desenrola em ano eleitoral, com a expectativa de que Macri busque a reeleição no fim deste ano, embora as pesquisas em geral prevejam um cenário complicado para ele.

Mais conteúdo sobre: