Política

Gustavo Neiva pede explicações ao governo sobre empréstimos

O deputado questionou o governo sobre os pedidos de empréstimos feitos ao Banco Brasil Plural, “como se chegou a esse banco, que não tem nenhuma agência aberta ao público".

Jeyson Moraes
Teresina
Germana Chaves
Teresina
Andressa Martins
Teresina
11/09/2019 14h27

Durante entrevista concedida na manhã desta segunda (11) na Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), o deputado estadual Gustavo Neiva (PSB) pediu explicações ao Governo Wellington Dias sobre os pedidos de empréstimos que devem ser contratados no Banco Brasil Plural. Segundo o deputado, o banco vem sofrendo prejuízos todos os anos sucessivamente.

O deputado disse que vai propor uma audiência na Casa com o objetivo de ouvir os esclarecimentos da equipe do Governo a respeito dessa contratação. Neiva disse que o banco não possui conta ativa suficiente para os empréstimos e não possui nenhuma agência aberta.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Gustavo NeivaGustavo Neiva

“Vou propor a audiência provavelmente amanhã. A pergunta principal é como se chegou ao Banco Brasil Plural, que é um banco que a cada ano sofre mais prejuízos e não possui nem ativo suficiente, ou seja, tudo que o banco tem, são setecentos milhões de reais, como vai emprestar dois bilhões e setecentos para o estado?”, questionou o deputado.

“Nós recebemos a informação ontem por dois áudios de que os empréstimos serão feitos com o Banco Brasil Plural, eu acho que aqui nenhum de nós ouviu falar no Banco Brasil Plural, então eu tive a curiosidade de pesquisar. É um banco que vem sucessivamente tendo prejuízos e olha que para um banco ter prejuízo no Brasil é realmente uma coisa inédita. Só esse ano já acumula um prejuízo de mais de sete milhões de reais", continuou Neiva.

Envolvido na Lava Jato

O deputado da oposição também destacou que na delação do doleiro Lúcio Furano, no âmbito da Lava Jato, o Banco Brasil Plural foi citado.

"O Banco Brasil Plural é um banco que tem como um dos seus sócios, ou tinha, o atual presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. É um banco que também foi citado na delação de Lúcio Funaro, doleiro e delator da operação Lava-jato, como sendo um dos bancos que deu prejuízo ao fundo de previdência dos servidores da Caixa Econômica Federal", concluiu.

Noticias relacionadas

Deputado Gustavo Neiva critica novo pedido de empréstimo

Governo encaminha para Alepi pedido para empréstimo de R$ 2 bilhões

Mais conteúdo sobre: