Teresina - PI

Homem grava vídeo denunciando falta de médicos na UPA do Promorar

No vídeo, o homem reclama da demora no atendimento a sua esposa, que aparece no registro sentada em uma maca no corredor da unidade, com falta de ar.

Thais Guimarães
Teresina
09/10/2020 20h26 - atualizado 20h26

Um cidadão gravou um vídeo na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Promorar na noite desta quinta-feira (08), denunciando a falta de médicos no local. A esposa dele estava passando mal, com falta de ar, e não havia profissionais para atendê-la.

No vídeo, o homem reclama da demora no atendimento a sua esposa, que aparece no registro sentada em uma maca no corredor da unidade. “Minha esposa não está mais respirando de jeito nenhum e não tem nenhum médico na UPA do Promorar, olha o tanto de gente que tem aqui, não tem uma pessoa para atender. É uma vergonha, minha esposa sem respirar e não tem um médico”, afirmou.

O vídeo dura aproximadamente dois minutos, e mostra os corredores da unidade, a recepção cheia de pacientes e as salas de atendimento vazias. O homem que está gravando relata ainda que há cerca de um mês seu irmão morreu naquela UPA, vítima de infarto. Segundo ele, também não havia médicos no momento.

“Para conseguir voto é ligeiro, está com dois meses que meu irmão morreu bem aqui, chegou meia-noite, morreu no corredor porque os médicos estavam todos dormindo, meu irmão morreu de infarto”, disse o rapaz revoltado.

O que diz a FMS

Em nota, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) esclareceu que no momento da gravação do vídeo havia dois médicos clínicos gerais de plantão na UPA, além de dois pediatras e um cirurgião. A FMS informou ainda que todos os pacientes foram atendidos de acordo com o protocolo de classificação de risco.

Leia a nota na íntegra:

A Fundação Municipal de Saúde informa que no momento da gravação do vídeo a UPA Promorar contava com dois médicos clínicos gerais de plantão, que estavam atendendo pacientes nas salas vermelha e amarela, além de dois pediatras e um cirurgião. A paciente do vídeo deu entrada na unidade às 18h50, e após passar pela triagem de classificação de risco às 18h59 o seu caso foi categorizado como amarelo, que significa média prioridade sem risco de vida. A paciente então passou por atendimento médico às 19h35, quando foi medicada e enviada para casa.

A FMS informa ainda que todos os usuários que aparecem no vídeo foram atendidos de acordo com o parâmetro internacional de classificação de risco, que prioriza os pacientes com quadros graves, que são rapidamente atendidos.

Mais conteúdo sobre: