Teresina - PI

IML demora 12h para remover corpo em Teresina por falta de gasolina

A vítima foi encontrada morta na quarta-feira (10) em sua residência no Parque Brasil 3, era deficiente físico e morava sozinho.

Bárbara Rodrigues
Teresina
Laura Moura
Teresina
11/10/2018 10h29 - atualizado 10h43

Moradores do Parque Brasil 3, na zona norte de Teresina, denunciaram descaso por parte do Instituto de Medicina Legal (IML) após demora de mais de 12h para recolher o corpo de Antônio Vieira da Silva, de 65 anos, por falta de gasolina no veículo. A vítima foi encontrada morta na quarta-feira (10) em sua residência, era deficiente físico e morava sozinho.

A sobrinha Gardênia Martins informou que há quatro dias a vítima não era mais vista e os vizinhos começaram a desconfiar após um forte cheiro da residência de Antônio Vieira. Um dos vizinhos pulou o muro e encontrou o corpo da vítima.

  • Foto: Laura Moura/GP1Residência de Antônio Vieira da SilvaResidência de Antônio Vieira da Silva

“Ele foi encontrado morto e não sabemos a causa da morte. Ele sumiu segunda-feira, ninguém viu mais ele e os vizinhos acharam estranho, porque sempre viam ele aqui fora. Aí uma vizinha veio aqui na casa, chamou e ele não respondeu. Depois um vizinho pulou e viu ele morto dentro de casa”, explicou Gardênia.

Logo após o corpo ser encontrado em estado de decomposição, o IML foi acionado por volta das 20h da noite de quarta-feira (11) e somente às 8h dessa quinta-feira (12) foi até o local para retirar o corpo.

“A gente ligou ontem, mas o IML alegou que não tinha gasolina para vir buscar o corpo. Veio um, mas disseram que não poderiam pegar o corpo porque estava cheio. Isso é uma falta de respeito com o ser humano, porque a gente paga imposto. Só depois que denunciamos para a mídia é que eles vieram aqui”, informou Gardênia Martins.

Outro lado

A Secretaria de Segurança Pública, através do Instituto Médico Legal, informou que não há falta de combustível para deslocamento de viatura e que o atraso para o resgate do corpo aconteceu devido falhas dos funcionários do IML que serão apuradas através de um processo administrativo.

Confira a nota na íntegra:

"A Direção do Instituto Médico Legal desconhece qualquer problema relacionado a falta de combustível em viaturas, de forma especial na noite de ontem. Ressalta que a única situação extraordinária foi de um veículo retornando de Picos precisou ser reabastecimento em Demerval Lobão, o que não é comum porque a viagem é feita normalmente com o tanque cheio. O setor competente tomou as providências necessárias e não houve obstáculo no restante da viagem. Quanto a qualquer outra ocorrência elas foram atendidas normalmente. Além disso o plantonista médico também não relatou nenhum problema, tendo o plantão transcorrido normalmente. A diretoria informa ainda que não há déficit de combustível e eventual irregularidade quanto a condutas funcionais serão apuradas".