Teresina - PI

Joaquim do Arroz diz que não ficou no Patriota para evitar atritos

"Eu não sou [da base de Firmino Filho] e então eu poderia ser um empecilho na vida deles e eu não quero ser empecilho na vida de ninguém”, revelou Joaquim do Arroz.

Jonas Carvalho
Teresina
Germana Chaves
Teresina
10/07/2019 08h14 - atualizado 09h04

O vereador de Teresina, Joaquim do Arroz (sem partido), externou o motivo que o levou a não seguir junto com o PRP rumo ao Patriota. Barrado na cláusula de barreira, a legenda fundiu-se com a sigla na Capital para manter sobrevivência.

Porém, atualmente, o Patriota do vereador Gustavo de Carvalho compõe a base do prefeito Firmino Filho (PSDB). De acordo com Joaquim do Arroz, permanecer em um partido com ideologia contrária à sua acarretaria em atritos com os demais correligionários.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Joaquim do ArrozJoaquim do Arroz

“Eu saí em respeito aos meus colegas, visto que todos são da base do prefeito, mas eu não sou. Então eu poderia ser um empecilho na vida deles e não quero ser empecilho na vida de ninguém”, explicou em entrevista ao GP1 nessa terça-feira (10).

Ida ao PTB

Sobre a possibilidade de se filiar ao PTB do ex-senador João Vicente Claudino, Joaquim revelou que os entendimentos não avançaram devido à proximidade dos petebistas com o prefeito de Teresina Firmino Filho (PSDB).

“Não avançou. Eu estou observando esse alinhamento do João Vicente porque o mesmo alinhamento que se diz que ele tem com o Firmino, também dizem que ele tem com o Wellington. Então, é um caso a ficar em análise. Mas uma certeza é que a gente tem que mudar a estrutura política de Teresina, Teresina tem que ser vista de uma forma mais avançada”, concluiu.