Teresina - PI

Juiz manda soltar assassino confesso da cabeleireira Aretha Dantas

"Deixá-lo no cárcere, certamente estaria a responder por uma sentença inexistente. Ainda é de se registrar que, durante esse período, ele respondeu regularmente ao feito”, destacou Antônio Nollêto.

Davi Fernandes
Teresina
21/01/2020 14h10 - atualizado 15h17

O juiz Antônio Reis de Jesus Nollêto, da 1ª Vara do Tribunal Popular do Júri, relaxou a prisão preventiva de Paulo Alves dos Santos Neto, assassino confesso da cabeleireira Aretha Dantas Claro e com isso, concedeu liberdade provisória para o acusado com apenas medidas cautelares. A decisão foi dada ontem (20) e publicada no Diário Oficial do Tribunal de Justiça nesta terça-feira (21).

O magistrado considerou que a prisão do assassino confesso apresenta ilegalidade, pois já se estende por período correspondente a quase dois anos de prisão (17 de maio de 2018 a 20 de janeiro de 2020). Segundo o juiz, deixar o acusado preso seria o mesmo que ele responder a uma pena inexistente.

Conforme a Justiça, a prisão preventiva de Paulo Alves apresenta excesso de tempo, pois ultrapassa o permitido pelo Código Processual Penal (CPC), que fixou o prazo no artigo 412 do CPP de até 90 dias para encerramento da instrução criminal.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Juiz Antônio Reis de Jesus Nollêto lendo a sentençaJuiz Antônio Reis de Jesus Nollêto

“Deve-se considerar, portanto, tratar-se de feito complexo, cujas peculiaridades do caso, ensejaram, inevitavelmente, maior delonga em sua tramitação, mas que não se pode olvidar que existe um acentuado excesso de prazo, com o acusado preso. Ou seja, a ilegalidade é evidente. Deixá-lo no cárcere, certamente estaria a responder por uma sentença inexistente. Ainda é de se registrar que, durante esse período, ele respondeu regularmente ao feito. Ademais, não constam nos autos informações de comportamento agressivo durante a sua custódia. Dessa forma, a instrução processual pôde ser concluída em tempo razoável”, destacou Antônio Nollêto.

  • Foto: FacebookPaulo Alves dos Santos NetoPaulo Alves dos Santos Neto

Após ter sua prisão preventiva relaxada, o juiz determinou que o assassino confesso de Aretha Dantas não se ausente de Teresina; que compareça a cada dois meses na Central Integrada de Alternativas Penais (CIAP); que compareça a todos os atos do processo; que informe sobre qualquer mudança de endereço e que não realize condutas delitivas.

Laudo de sanidade mental

Em abril de 2019, o resultado do laudo de sanidade mental do acusado de matar Aretha Dantas atestou que Paulo Alves dos Santos Neto não tem problemas mentais e que ele premeditou o crime. O exame foi realizado por psiquiatras forenses do Hospital Areolino de Abreu.

Juiz negou resultado do exame

Em agosto de 2019, o juiz Antônio Reis de Jesus Nollêto indeferiu pedido da defesa de Paulo Alves dos Santos Neto para anular o resultado do exame de insanidade mental que concluiu que o ele não tem problemas mentais e que ele premeditou a morte da Aretha Dantas.

A defesa pleiteou pela decretação de nulidade do exame requerendo o seu desentranhamento dos autos e, em consequência, que fosse novamente realizado, com a designação de novos peritos. Ao final, foi indeferido o pleito de nulidade suscitado pela defesa e determinado o prosseguimento da ação.

Crime

Aretha foi encontrada morta com perfurações de arma branca e sinais de atropelamento, na madrugada de 15 de maio de 2018, na Avenida Maranhão, zona sul de Teresina. O ex-companheiro dela, Paulo Alves dos Santos Neto, foi considerado o principal suspeito do crime.

  • Foto: Facebook/Aretha ClaroAretha Claro foi encontrada morta na Avenida MaranhãoAretha Claro foi encontrada morta na Avenida Maranhão

Na noite do dia 16 de maio, Paulo se entregou à polícia e confessou a autoria do homicídio.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Pai pede agilidade no julgamento do acusado de matar Aretha Dantas

Laudo aponta que assassino de Aretha Dantas não tem problemas mentais

Juiz nega liberdade ao assassino confesso de Aretha Dantas

Assassino confesso de Aretha Dantas vira réu na Justiça

Assassino de Aretha Dantas é indiciado por homicídio qualificado