Política

Júlio Arcoverde diz que Wellington Dias ainda não pediu cargos do PP

O governador anunciou rompimento com o PP de Ciro Nogueira, após muito desgaste entre as duas siglas, envolvendo a disputa eleitoral de 2022.

Thais Guimarães
Teresina
Germana Chaves
Teresina
06/08/2020 18h31 - atualizado 19h20

O deputado estadual Júlio Arcoverde, presidente da executiva estadual do Progressistas no Piauí, concedeu entrevista ao GP1 na tarde desta quinta-feira (06), logo após se reunir com o governador Wellington Dias (PT), que anunciou ontem rompimento com o Progressistas de Ciro Nogueira.

Arcoverde disse que foi uma conversa amistosa e que o chefe do executivo não pediu os cargos que o PP ocupa no Palácio de Karnak, mas vai falar com cada parlamentar do Progressistas, para saber o eu cada um pensa da situação.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Deputado Júlio ArcoverdeDeputado Júlio Arcoverde

“Foi uma conversa amistosa, governador não falou sobre cargos, ele quer conversar pessoalmente com cada deputado do PP, para saber a opinião de cada um, [se seguem no governo ou se seguem com Ciro]”, informou.

Para o deputado, no entanto, é pouco provável que o Progressistas siga na base aliada do PT. “Acho muito difícil, acredito que o caminho natural vai ser mesmo o rompimento”, colocou.

Liberdade para decidir

Arcoverde disse ainda que o governador vai pedir lealdade aos progressistas que, por ventura decidirem ficar na base. "Não vamos obrigar ninguém a fazer nada. Não haverá perseguição. Cada deputado vai ter liberdade para decidir", destacou.

Mais cedo, Arcoverde relatou surpresa com o vídeo divulgado pelo governador anunciando a ruptura com o senador Ciro Nogueira. Para o deputado, o rompimento tende a prejudicar o povo do Piauí.

Anúncio de rompimento

Nesta quarta-feira (06) Wellington Dias divulgou um vídeo anunciando o fim da aliança com Ciro Nogueira (Progressistas). Ele explicou que o entendimento se deu após uma conversa com o senador. “Sou grato ao senador Ciro e ele sempre terá meu respeito, mas compreendo que na política, às vezes, cada um precisa seguir seu caminho. Chegamos a esse entendimento, pois ele nos informou que trabalhará na organização de um campo político de oposição. Sempre trabalhei com um time e para que um time seja vitorioso, ele precisa estar unido. Nessas horas, precisamos saber quem é governo e quem é oposição”, afirmou.

Ciro Nogueira, por sua vez, se manifestou na manhã de hoje, se dizendo surpreso com a declaração do governador. “De fato nessa semana recebi o governador e o Marcelo Castro, mas em momento algum disse que os Progressistas fariam oposição ao seu governo, pelo contrário, tenho dito que o momento exige união e principalmente que a gente esteja trabalhando pelo Piauí, independentemente de partido e ideologia”, rebateu.

Agora, os dois líderes vão definir como ficará a administração estadual e os projetos até então tocados pelo PT em parceria com PP.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Wellington afirma que respeita decisão de Ciro Nogueira de deixar o Governo

Ciro Nogueira rebate Wellington e diz que soube de rompimento pela imprensa

Rompimento com Wellington serve para testar PP para 2022, diz Arcoverde

Iracema Portella diz que PP não concordou com rompimento de Wellington