Brasil

Lava Jato diz que desativou contas do Telegram ‘após invasão criminosa’

Procuradores da força-tarefa do Ministério Público Federal no Paraná informaram nesta quarta, 19, que, desde abril, 'vários de seus integrantes vêm constatando ataques a seus aplicativos'.

Por  Estadão Conteúdo
19/06/2019 19h50

A força-tarefa da Operação Lava Jato do Paraná informou nesta quarta-feira, 19, que os procuradores da República desativaram suas contas do aplicativo Telegramem abril. Em nota, a Lava Jato relatou que, desde então, ‘vários de seus integrantes vêm constatando ataques a seus aplicativos’.

A manifestação foi divulgada após o ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública) comparecer à Comissão de Constituição e Justiça do Senado falar sobre mensagens do Telegram – nas quais o ministro e procuradores da Lava Jato teriam ajustado passos da operação. As conversas foram divulgadas pelo site The Intercept Brasil e são relativas à época em que o atual ministro era juiz federal em Curitiba, o juiz da Lava Jato.

Ainda, conforme divulgado em 14 de maio, a PGR determinou a instauração de um procedimento administrativo para acompanhar a apuração de tentativas de ataques cibernéticos a membros do Ministério Público Federal.

Na nota, a força-tarefa narrou que ‘desde abril vários de seus integrantes vêm constatando ataques criminosos às suas contas no aplicativo Telegram, inclusive com sequestro de identidade virtual’.

Leia a íntegra da nota da Força-Tarefa

Diante de questionamentos apresentados em sessão da CCJ do Senado Federal e de matérias veiculadas na imprensa nesta quarta-feira, 19 de junho, a força-tarefa do Ministério Público Federal no Paraná (MPF/PR) informa que desde abril vários de seus integrantes vêm constatando ataques criminosos às suas contas no aplicativo “Telegram”, inclusive com sequestro de identidade virtual.

Tendo em vista a continuidade, nos dias subsequentes, das invasões criminosas e o risco à segurança pessoal e de comprometimento de investigações em curso, os procuradores descontinuaram o uso e desativaram as contas do aplicativo “Telegram” nos celulares, com a exclusão do histórico de mensagens tanto no celular como na nuvem.

Houve reativação de contas para evitar sequestros de identidade virtual, o que não resgata o histórico de conversas excluídas. Também imediatamente após as constatações, e antes que houvesse notícia pública sobre a investida hacker, a força-tarefa comunicou os ataques à PGR e à Polícia Federal em Curitiba, que, uma vez que não prejudicaria as linhas investigatórias em curso, orientou a troca dos aparelhos e dos números de contato funcionais dos procuradores.

Ainda, conforme divulgado em 14 de maio, a PGR determinou a instauração de um procedimento administrativo para acompanhar a apuração de tentativas de ataques cibernéticos a membros do Ministério Público Federal.

“Tendo em vista a continuidade, nos dias subsequentes, das invasões criminosas e o risco à segurança pessoal e de comprometimento de investigações em curso, os procuradores descontinuaram o uso e desativaram as contas do aplicativo Telegram nos celulares, com a exclusão do histórico de mensagens tanto no celular como na nuvem”, registrou a Lava Jato.

“Houve reativação de contas para evitar sequestros de identidade virtual, o que não resgata o histórico de conversas excluídas. Também imediatamente após as constatações, e antes que houvesse notícia pública sobre a investida hacker, a força-tarefa comunicou os ataques à PGR e à Polícia Federal em Curitiba, que, uma vez que não prejudicaria as linhas investigatórias em curso, orientou a troca dos aparelhos e dos números de contato funcionais dos procuradores.”

NOTÍCIAS RELACIONADAS

PF apura invasão de telefones de Moro e de procuradores

Hacker tentou se passar por Moro no Telegram no dia 4, afirma PF

Moro diz de que vazamento foi ataque hacker para prejudicar Lava Jato

Mais conteúdo sobre: