Mundo

Leopoldo López e família se refugiam na embaixada chilena em Caracas

Na mesma residência diplomática, o parlamentar opositor Freddy Guevara é mantido como 'hóspede' há um ano e cinco meses.

Por  Estadão Conteúdo
30/04/2019 19h43

O líder opositor venezuelano Leopoldo López, libertado nesta terça-feira, 30, de sua prisão domiciliar por militares que apoiam Juan Guaidó, refugiou-se com sua mulher e um de seus três filhos na Embaixada do Chile em Caracas, anunciou a chancelaria chilena. Segundo informou o chanceler Roberto Ampuero, a família está na representação na condição de "hóspede".

Em uma mensagem do Twitter, o Ministério das Relações Exteriores do Chile informou que Lilian Tintori e sua filha entraram como hóspedes na residência de missão diplomática em Caracas. "Em minutos se somou seu cônjuge, Leopoldo López, que permanece junto à sua família nesse lugar. O Chile reafirma o compromisso com democratas venezuelanos."

Preso em 2014, López cumpria desde 2017 sob prisão domiciliar uma sentença de quase 14 anos de regime fechado, por incitar protestos violentos contra o governo Maduro.

No início da rebelião nesta terça-feira contra o presidente, Guaidó apareceu em La Carlota, a principal base aérea no país, com um pequeno grupo de uniformizados e Leopoldo López, que disse ter sido "libertado" pelos militares de sua prisão domiciliar.

Na mesma residência diplomática do Chile em Caracas, o parlamentar opositor Freddy Guevara é mantido como "hóspede" há um ano e cinco meses.

Cinco outros juízes venezuelanos também foram recebidos na residência chilena, mas conseguiram deixar o país. Atualmente, encontram-se no Chile, sob asilo político.

O Chile faz parte do Grupo de Lima, que nesta terça-feira anunciou uma reunião de emergência. Criado em 2017 por uma dúzia de países da América, incluindo o Canadá, o grupo procura uma solução pacífica para a crise na Venezuela.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Planalto diz que 25 militares da Venezuela pediram asilo à embaixada

Governo Bolsonaro abre crédito extra para assistência a venezuelanos

EUA acenam com alívio de sanções a quem apoiar Guaidó