Mundo

Macron diz ser 'erro' confundir soberania com agressividade

'Somos um país soberano e, quando temos grandes eventos, aceitamos com felicidade a solidariedade internacional', disse.

Por  Estadão Conteúdo
27/08/2019 20h21 - atualizado 20h31

O presidente da França, Emanuel Macron, alfinetou nesta terça-feira, 27, o presidente Jair Bolsonaro ao comentar a posição do governo brasileiro ao recusar a oferta de ajuda dos países ricos do G-7 no combate aos incêndios na Amazônia. Sem citar o nome de Bolsonaro, Macron diz que "alguns dirigentes confundem soberania com agressividade" e defendeu ser um erro pensar desta forma. Nesta terça, Bolsonaro condicionou o recebimento da ajuda de R$ 83 milhões oferecida pelo G-7 a um pedido de desculpas de Macron.

"Observei a atitude de alguns dirigentes que consideram que soberania significa agressividade. Acho que isso é um erro. Somos um país soberano e, quando temos grandes eventos, aceitamos com felicidade a solidariedade internacional porque é um sinal de amizade", afirmou Macron nesta terça, em discurso na conferência de embaixadores franceses em Paris.

Macron afirmou ainda que outros países amazônicos pediram ajuda internacional para combater as queimadas e que terão o auxílio o mais rápido possível. "Acima de tudo, há nove países na Amazônia. Muitas outras nações já pediram a nossa ajuda. É importante mobilizá-la para que Colômbia, Bolívia e todas as regiões brasileiras que queiram ter acesso a essa ajuda internacional possam tê-la e reflorestar (a Amazônia) rapidamente", declarou.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Entenda o que está por trás do embate Bolsonaro e Macron

Bolsonaro diz que aceita ajuda se Macron se desculpar por insultos

Macron não descarta solicitar status internacional à Amazônia

Mais conteúdo sobre: