Política

Marden diz que base do governo quer votar amanhã PEC da Previdência

Em reunião realizada nesta terça-feira (10) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ficou decidido que amanhã, às 8h30, na CCJ será realizada uma audiência pública.

Bárbara Rodrigues
Teresina
Germana Chaves
Teresina
10/12/2019 12h44 - atualizado 12h46

O deputado estadual Marden Menezes (PSDB) afirmou que está havendo uma imposição da bancada governista para que a votação da PEC 03/2019 (Proposta de Emenda Constitucional) da reforma da Previdência, apresentada pelo governador Wellington Dias (PT), seja realizada amanhã (11). Ele disse ainda que apenas quatro deputados estaduais são contra, enquanto os demais 26 apoiam o governador.

Em reunião realizada nesta terça-feira (10) na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) ficou decidido que amanhã, às 8h30, na CCJ será realizada uma audiência pública, com a participação de representantes de vários sindicatos, com o objetivo de discutir as mudanças na previdência.

  • Foto: Alef Leão/GP1Marden MenezesMarden Menezes

“Queremos que seja uma audiência propositiva, que todas as categorias possam ter voz para expressarem seu sentimento, até mesmo apresentando sugestões, minutas, para o aperfeiçoamento, a melhoria do texto que aqui está. Repito que não somos contra reforma, que é necessária, assim como o país se discutiu por muito tempo a reforma da previdência, mas não se pode ter uma proposta dessa complexidade sem a manifestação da sociedade”, afirmou.

Marden Menezes afirmou que os deputados da base do governo estão querendo realizar a votação da proposta em plenário logo após a audiência. “Não há necessidade da urgência, essa é uma convicção que nós temos, pelo prazo estabelecido pelo próprio governo federal, onde os estados teriam até meados do ano que vem para se adaptarem as mudanças na lei, mas há uma necessidade, quase uma imposição para que essa matéria seja votada amanhã ou depois. Estamos sugerindo para que amanhã seja realizada a audiência e na quinta-feira seja estudada a possibilidade de votação em plenário, mas há um entendimento da bancada governista de fazer tudo isso amanhã, então vamos dialogar com a entidades”, declarou o parlamentar.

Apenas Marden Menezes, Gustavo Neiva (PSB), Lucy Soares (PP) e Teresa Britto (PV) se manifestaram contra a urgência na votação e pedem maior prazo para discussão da proposta. “Quando se tem uma minoria, diante de uma imensa maioria, são 26 contra 4, só nos resta apelar para o bom senso, procurar o apoio da sociedade e até tivemos que recorrer ao judiciário. A minha convicção é que essa matéria poderia ser discutida com toda a tranquilidade, poderíamos votar essa matéria no ano que vem, não teria nenhum prejuízo”, destacou o deputado estadual Marden Menezes.