Saúde

Médico Osmar Terra critica isolamento imposto por governadores e prefeitos

O médico e deputado federal defende o isolamento vertical, onde somente as pessoas do grupo de risco como idosos, diabéticos e pessoas com problemas cardíacos ficam isolados.

Bárbara Rodrigues
Teresina
Andressa Martins
Teresina
05/04/2020 17h04 - atualizado 06/04/2020 14h47

O médico e deputado federal Osmar Terra publicou neste domingo (5) nas suas redes sociais um vídeo onde declarou que a ideia de fazer isolamento social horizontal (completo) para reduzir a velocidade e achatar a curva de casos de coronavírus (covid-19) não funcionou em nenhum país do mundo. Osmar defende o isolamento vertical, onde somente pessoas do grupo de risco como idosos acima de 60 anos, diabéticos, hipertensos, pessoas com insuficiência renal crônica, doença respiratória crônica e doença cardiovascular ficam isolados.

Ele destacou que o isolamento horizontal, como o que vem sido colocado por governadores e prefeitos vai aumentar o número de casos. Segundo Osmar Terra a população está se submetendo a sacrifícios, por isso é preciso seguir a orientação do presidente Jair Bolsonaro e acabar com o isolamento total.

“As medidas que estão sendo tomadas pelos governos estaduais e pelos municípios levam a uma imposição de mais de três semanas, em uma quarentena rigorosa, fazendo com que as pessoas fiquem em casa, fechando lojas, shoppings, escolas. É uma decisão política que contraria a proposta do governo federal, que o presidente Bolsonaro, entende, como eu entendo, que devemos concentrar no isolamento do grupo de risco e me baseio na experiência de comandar várias epidemias, onde nos concentramos nos grupos de risco e não impedimos que a vida continuasse”, afirmou.

O médico diz ainda que não acredita que o isolamento total irá fazer o chamado “achatamento” da curva de contaminação. “Quando se descobre o primeiro caso, quando se tem um vírus novo, o vírus está há meses circulando e já atingiu milhares ou milhões de pessoas. Foi o que aconteceu na China e é o que está acontecendo no mundo. Essa curva sobe muito rápido e é incontrolável, não tem como achatar”, afirmou.

Não dá para controlar

Osmar explicou que não há como controlar a contaminação. “Na verdade, não tem como controlar. Esse conceito de achatamento da curva é um conceito teórico, vem de um estudo de Londres que errou nas premissas e previu milhões de mortes nos Estados Unidos, na Europa, 500 mil no Reino Unido e já previu um milhão de mortes no Brasil. Isso foi veiculado o tempo todo como verdade e criou um clima de pânico. Eu quero dizer que isso não vai acontecer. Está errado”, afirmou o médico.

Contaminação maior em casa

Para Osmar Terra, a contaminação é maior se a pessoa ficar em casa, do quer continuar indo trabalhar. “No Brasil, é uma curva que está subindo cada vez mais rápido. Não adianta querer sacrificar a população, tem que proteger o grupo de risco e fazer as pessoas trabalharem. Essas pessoas que estão fora do grupo de risco, tomando todos os cuidados, se higienizando, podem voltar a trabalhar, pois estão contaminando dentro de casa, mais do que indo para fora”, declarou.

Dados de gráficos

No vídeo o médico mostra gráficos do jornal New York Times e explica que não existe essa possibilidade de achatamento da curva.

Estados Unidos

“No caso dos Estados Unidos são 22 mil casos por dia, está crescendo rapidamente, só que o Estados Unidos provavelmente atingiu o pico e está descendo. Não tem nada com achatamento de curva”, explicou.

O médico destacou que a curva apresentada é a normal de uma epidemia. “Foi assim na China, no H1N1, na gripe espanhola, então esse é o formato da curva, é o mundo real. O vírus está em toda parte, por isso não adianta fechar as pessoas em casa, muitas pessoas que estão com o vírus mesmo não tendo sintomas e vão contaminar os outros. A contaminação vai ser dentro de casa, muito maior que fora de casa”, alertou.

Itália

“Isso aconteceu com a Itália, triplicou o número de casos. Deveria diminuir, para uma quarentena radical, mas aumentou muito”, explicou o ex-ministro.

França e Irã

O médico ainda afirmou que na “França e Irã não é uma curva achatada. Desde 17 de março que eles estão fazendo quarentena e a curva só sobe, mas está começando a cair. A França já está chegando no pico”.

Inglaterra

“O Reino Unido que foi a origem desse estudo e que mudou a política [sobre a doença], já está praticamente com metade da população contaminada. A Universidade de Oxford mostra isso e começa a cair, a diminuir, e não é com a curva achatada. Lá estava sem quarentena há umas duas semanas e subiu mais ainda, e agora está caindo a curva”, apontou.

Coréia do Sul

“A Coreia não fechou o comércio, restaurante, o que ela fez foi muito simples. Isolou o grupo de risco e testou todo mundo, quase 80% da população. A melhor curva que tem no mundo é da Coreia, porque não fez quarentena forçada”, afirmou.

Ex-secretário da Saúde

Osmar Terra é deputado federal e já foi secretário da Saúde do Rio Grande do Sul no período do surgimento da pandemia H1N1, em 2009, durante o governo Yeda Crusius. Ele também já foi Ministro do Desenvolvimento Social no governo de Michel Temer e ministro da Cidadania na gestão de Jair Bolsonaro.

Veja o vídeo completo:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Sobe para 24 número de casos confirmados de coronavírus no Piauí

Brasil atinge 10.280 casos de coronavírus e 431 mortos, diz Ministério

Ministério da Saúde: Brasil não chegará a 100 mil mortos pelo coronavírus