São Miguel do Tapuio - PI

MP pede que Luccy Keiko nomeie delegado para São Miguel do Tapuio

Na recomendação o promotor explicou que existe a necessidade de atuação de um delegado de polícia na cidade, pois quem responde pelo município atua na delegacia de Campo Maior.

Bárbara Rodrigues
Teresina
09/12/2019 10h01 - atualizado 10h18

O Ministério Público do Estado do Piauí, Ricardo Lúcio Freire Trigueiro, expediu recomendação no dia 4 de dezembro ao delegado geral da Polícia Civil do Piauí, Luccy Keiko, onde pede que seja realizada a nomeação de delegado para atuar na delegacia de São Miguel do Tapuio.

Na recomendação o promotor explicou que existe a necessidade de atuação de um delegado de polícia na cidade, pois quem responde pelo município atua na delegacia de Campo Maior.

  • Foto: Hélio Alef/GP1Luccy KeikoLuccy Keiko

“A autoridade policial designada, hodiernamente, se encontra lotado também na Delegacia Regional de Campo Maior, o que vem causando prejuízos ao desempenho da atividade policial e a efetividade do acesso ao direito à segurança pública nos três municípios que compõem esta Comarca, apesar dos consideráveis esforços envidados pela autoridade policial nesse sentido, cumprindo, dentro do possível, suas obrigações funcionais com zelo, dedicação e assiduidade”, afirmou.

Ricardo Trigueiro disse ainda que “tal situação já perdura há anos, que delegado de Polícia Civil respondendo cumulativamente pelas atividades policiais junto aos municípios que compõem a Comarca de São Miguel do Tapuio, o que, diuturnamente, vem trazendo acúmulo de serviço e prejuízo às investigações em curso, gerando sérios riscos de inúmeros casos de prescrição da pretensão punitiva”.

O promotor ainda destacou que em 2018 foi realizado um concurso público que teve a formação de cadastro reserva, por isso pede a nomeação de um delegado para a região. “A omissão administrativa, que reflexamente inviabiliza o exercício dos direitos e a concretização da implementação das políticas públicas, não é mais admitida, não cabendo ao Estado do Piauí escolher entre implementar ou não a política de segurança pública”, pontuou Ricardo Trigueiro.