Barras - PI

MP-PI pede prioridade na ação da morte do advogado Kelson Feitosa

O promotor de Justiça Silas Sereno Lopes requereu a adoção de providências judiciais aptas a levar o caso a julgamento perante o Tribunal do Júri.

Brunno Suênio
Teresina
21/11/2017 09h43 - atualizado 09h45

O Ministério Público do Estado do Piauí emitiu parecer, na última quinta-feira (16), solicitando tramitação prioritária da ação penal contra Francisco de Sousa Rosa acusado de matar o advogado Kelson Dias Feitosa em Barras, no ano de 2016.

O promotor de Justiça Silas Sereno Lopes requereu a adoção de providências judiciais aptas a levar o caso a julgamento perante o Tribunal do Júri.

  • Foto: DivulgaçãoKelson Feitosa e Francisco de Sousa RosaKelson Feitosa e Francisco de Sousa Rosa

No parecer, o promotor alega que com o advento do artigo 394-A do Código de Processo penal os crimes hediondos passam a ter tramitação prioritária. “Soma-se a isto o fato do réu se encontrar preso preventivamente e de o processo estar pronto para julgamento em plenário perante o Tribunal Popular do Júri”.

O pedido já está concluso para a juíza da Vara Única de Barras, Patrícia Luz Cavalcante, para despacho.

Relembre o caso

O advogado Kelson Dias Feitosa, de 54 anos, foi assassinado no dia 13 de junho de 2016, com três tiros dentro do escritório de advocacia na própria residência, situado na Rua Leônidas Melo, no centro de Barras. A vítima era cunhada do ex-prefeito de Boa Hora, José Rezende e do jornalista Pádua Araújo.

Francisco de Sousa Rosa também tentou matar o tio Sebastião Veloso por conta de uma briga judicial.