Recife - PE

Mulher com suspeita de coronavírus desembarca no Pernambuco

Passageira de 51 anos esteve na Itália e desembarcou em Recife.

Nayrana Meireles
Teresina
25/02/2020 21h15 - atualizado 17/03/2020 10h39

Uma mulher com suspeita do Covid-19, o novo coronavírus, desembarcou nesta terça-feira (25), no Aeroporto Internacional dos Guararapes/Gilberto Freyre, na Zona Sul do Recife, no Pernambuco. A informação foi confirmada pela Secretaria Estadual de Saúde. A paciente tem 51 anos de idade e esteve na Itália.

Segundo o secretário estadual de Saúde, André Longo, a mulher tem 51 anos e veio da Itália.“Chegou um caso que se enquadra na definição de suspeito. Se ampliou recentemente a definição de caso suspeito. Antes, falávamos da Ásia, agora falamos também da Europa. Essa paciente estava em deslocamento na Europa, na região de Milão, e fez o deslocamento via São Paulo, onde fez uma escala e chega ao Recife com alguns sintomas que se enquadram na nova definição de caso suspeito para a doença”, afirmou.

"A gente precisa passar a mensagem de tranquilidade para a população. O número de casos suspeitos vai tender a aumentar com a expansão do diagnóstico, das situações de possível diagnóstico. O número de brasileiros que circulam na Europa é bem maior que os que circulam na China. E a gente precisa estar preparado para dar as respostas adequadas, como estamos dando", ressaltou o secretário estadual.

O avião em que veio a paciente partiu do estado de São Paulo e pousou na capital pernambucana às 15h50. A mulher viajou para a Europa no dia 13 de fevereiro para fazer um curso e, além da Itália, passou pela Espanha.

Ela foi encaminhado ao Hospital Universitário Oswaldo Cruz, no bairro de Santo Amaro, no Centro do Recife. Foram coletados materiais da paciente para que sejam feitas análises no Laboratório Central de Pernambuco (Lacen), que vai analisar se se trata de uma Influenza. Se for negativo, o material será encaminhado para São Paulo, responsável pelo exame para coronavírus. O prazo necessário para o processo é de, no máximo, 72 horas.

Mais conteúdo sobre: