Piauí

Nupevid repudia agressão física contra árbitra em Parnaíba

“Não vamos permitir, de modo algum, que a falta de respeito, o machismo e o preconceito pela condição de gênero, a condição de ser uma mulher, retrocedam as conquistas já alcançadas”, afirma nota.

Wanessa Gommes
Teresina
04/06/2019 20h08 - atualizado 20h09

O Núcleo das Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (NUPEVID), do Ministério Público do Estado do Piauí, divulgou nota de repúdio, nesta terça-feira (04), contra a violência sofrida pela árbitra Eliete Fontenele, em Parnaíba, na noite dessa segunda-feira (03).

Segundo a promotora Amparo Paz, coordenadora do NUPEVID, “não vamos permitir, de modo algum, que a falta de respeito, o machismo e o preconceito pela condição de gênero, a condição de ser uma mulher, retrocedam as conquistas já alcançadas”.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Amparo PazAmparo Paz

A nota destacou ainda que o Brasil é o quinto país do mundo mais violento contra as mulheres, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH).

Confira abaixo a nota na íntegra

Nota de Repúdio

O Núcleo das Promotorias de Justiça de Defesa da Mulher Vítima de Violência Doméstica e Familiar (NUPEVID), do Ministério Público do Estado do Piauí, em nome de toda sua equipe, vem, por meio desta nota, manifestar total repúdio ao ato de agressão e violência praticado contra a árbitra de futebol, Eliete Fontenele, ocorrido na noite de segunda-feira (3), enquanto apitava uma partida de futsal na quadra da Universidade Federal do Delta do Parnaíba (UFDPar).

Eliete teve sua integridade física lesionada, com socos no rosto, pelo acadêmico de Engenharia de Pesca, Rodrigo Quixaba, após o jogador receber um cartão vermelho. A árbitra apenas exercia o seu trabalho!

Por oportuno, queremos destacar aqui a participação da mulher no mercado de trabalho e sua busca por mais espaço e respeito, incluindo carreiras que antes eram consideradas apenas para homens. Desta feita, não vamos permitir, de modo algum, que a falta de respeito, o machismo e o preconceito pela condição de gênero, a condição de ser uma mulher, retrocedam as conquistas já alcançadas.

Claro que ainda temos muito a avançar. O Brasil é o quinto país do mundo mais violento contra as mulheres, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos (ACNUDH). Somente a garantia dos direitos humanos das mulheres, com a plena efetivação da Lei Maria da Penha e uma educação que favoreça uma cultura não sexista, de enfrentamento ao machismo e à violência contra as mulheres e meninas, poderá mudar essa triste realidade.

Portanto, lamentamos esse triste e vergonhoso fato ocorrido em Parnaíba. Ao mesmo tempo que também manifestamos nossa solidariedade e o apoio desse Núcleo à Eliete Fontenele.

Reiteramos que o fim da cultura de violência contra as mulheres e a emancipação feminina são pressupostos para a construção de uma sociedade mais justa. E finalizamos esta nota pedindo o que nos é de direito: respeitem as mulheres!

Amparo Paz – titular da 10ª Promotoria de Justiça e Coordenadora do NUPEVID

Entenda o caso

A árbitra Eliete Fontenele foi agredida a socos, na noite de segunda-feira (3), pelo universitário Rodrigo Quixada durante uma partida de futsal que estava sendo realizada na quadra da Universidade Federal do Delta do Parnaíba, em Parnaíba.

O jovem recebeu um cartão vermelho, se revoltou e aplicou vários golpes na árbitra, que caiu no chão. Rodrigo Quixada segue foragido.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Acusado de agredir árbitra em Parnaíba deve responder em liberdade

PM não conseguiu localizar acusado de agredir árbitra em Parnaíba

Universidade do Delta vai abrir sindicância após agressão contra árbitra

Árbitra é agredida a socos em partida de futsal na Universidade do Delta