Parnaíba - PI

Operação Flashback: Gaeco prende membro do PCC em Parnaíba

Ao todo, foram expedidos 212 mandados judiciais contra alvos espalhados nos estados de Alagoas, Piauí, Ceará, Pernambuco, Sergipe, Paraíba, São Paulo Minas Gerais, Paraná e Mato Grosso do Sul.

Brunno Suênio
Teresina
28/07/2020 10h18 - atualizado 15h18

O Ministério Público do Piauí, através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), cumpriu um mandado de prisão, em conjunto com o 2º Batalhão da Polícia Militar, contra um membro do Primeiro Comando da Capital (PCC), em Parnaíba, durante a Operação Flashback II, deflagrada nas primeiras horas da manhã desta terça-feira (28) em uma ação conjunta entre a Secretaria de Segurança Pública de Alagoas e Gaeco de Alagoas, responsável pelas investigações.

A ação faz parte da segunda fase de uma investigação que dessa vez culminou com a expedição de 212 mandados judiciais contra alvos relacionados ao PCC, espalhados nos estados de Alagoas, Piauí, Ceará, Pernambuco, Sergipe, Paraíba, São Paulo Minas Gerais, Paraná e Mato Grosso do Sul, base da facção criminosa.

Em entrevista ao GP1, a coordenadora do Gaeco, promotora Débora Aguiar, explicou que o alvo do estado do Piauí se encontra preso na Penitenciária Mista de Parnaíba, onde foi dado cumprimento ao mandado pelos policiais do 2º BPM, por volta de 10h15. Ele exerce a função de “salveiro”, responsável pela transcrição, transmissão e salvaguarda da comunicação oficial da facção criminosa, emanados pelo comando da facção aos demais faccionados.

  • Foto: Brunno Suênio/GP1Promotora Débora AguiarPromotora Débora Aguiar

“Essa pessoa exerce a função de ‘salveiro’ na facção criminosa do PCC, que é alvo da operação de hoje em diversos estados. Então foi encaminhado o mandado de prisão temporária e o comandante da Polícia Militar de Parnaíba cumpriu. O alvo já está preso por outro crime, inclusive, cumprindo pena por roubo”, explicou.

Participam da operação, equipes do Grupo Nacional de Combate às Organizações Criminosas (GNCOC), além do Ministério da Justiça e também da Polícia Federal. Na primeira fase da Operação Flashback, foram expedidos 110 mandados judiciais e mais de 80 pessoas acabaram presas em oito estados do País.