Luzilândia - PI

Prefeito Ronaldo Gomes é alvo de representação por abuso do poder político

A representação narra que o prefeito, que é pré-candidato à reeleição, vem realizando de modo indiscriminado a distribuição de carradas de piçarra para diversas famílias.

Gil Sobreira
Teresina
03/09/2020 11h25 - atualizado 11h26

O prefeito de Luzilândia, Ronaldo Gomes é alvo de representação na Justiça Eleitoral acusado de conduta vedada e abuso do poder político pelo Diretório Municipal do Partido Trabalhista Brasileiro – PTB.

A representação narra que o prefeito, que é pré-candidato à reeleição, vem realizando de modo indiscriminado a distribuição de carradas de piçarra para diversas famílias do povoado DNOCS, localizado na Zona Rural do Município. Para isso, estaria usando carros da Secretaria Municipal de Transportes e fornecidos pela empresa D R Construtora e Serviços Ltda -ME, que não possui licença ambiental para a extração do referido material e com quem a Prefeitura firmou contrato, no valor mensal de R$ 24.600,00 (Vinte e quatro mil e seiscentos reais), para locação de veículos às Secretarias Municipais de Administração e Assistência Social, configurando desvio de finalidade na licitação realizada.

  • Foto: Reprodução/FacebookRonaldo GomesRonaldo Gomes

O PTB sustenta que o uso da garagem da Prefeitura como galpão de estoque dos materiais de construção e sua distribuição, intensificado após 15 de agosto do corrente ano, incide nas condutas proibidas pelo Art. 73, I e IV da Lei nº. 9.504/97, pois prejudica a igualdade de oportunidades entre os candidatos.

O partido pede a suspensão da distribuição do material de construção pela Prefeitura, principalmente as carradas de areia e materiais assemelhados, a proibição da estocagem para distribuição aleatória na sua garagem ou em outro prédio, bem como a intimação da empresa terceirizada para paralisar as ações, sob pena de multa.

O juiz Thiago Aleluia Ferreira de Oliveira, da 27ª Zona Eleitoral, indeferiu na segunda-feira (01) o pedido de liminar e determinou a citação do prefeito para contestar a ação, no prazo de 05 dias.

Outro lado

O prefeito Ronaldo Gomes não foi localizado pelo GP1.

Mais conteúdo sobre: