Mundo

Primeiro-ministro iraquiano teme 'guerra devastadora' em seu país

presidente iraquiano Barham Saleh pediu "moderação" a todos, enquanto vários comandantes pró-Irã pediram aos combatentes que "estejam preparados" para responder ao ataque americano.

Por  Estadão Conteúdo
03/01/2020 16h08 - atualizado 16h12

O ataque dos Estados Unidos que matou o general iraniano Qassim Suleimani nesta quinta-feira, 3, aumentou o temor citado por vários analistas há alguns meses: que o território do Iraque se transforme em um campo de batalha indireto para Irã e Estados Unidos.

O presidente iraquiano Barham Saleh pediu "moderação" a todos, enquanto vários comandantes pró-Irã pediram aos combatentes que "estejam preparados" para responder ao ataque americano.

O primeiro-ministro iraquiano, Adel Abdel Mahdi, teme que o ataque provoque uma "guerra devastadora no Iraque". "É uma agressão contra o Iraque, seu Estado, seu governo e seu povo", afirmou Abdel Mahdi em um comunicado, ao mesmo tempo que o influente líder xiita iraquiano Moqtada Sadr anunciou a reativação de sua milícia anti-EUA, o Exército de Mehdi, e ordenou que seus combatentes fiquem preparados.

O grande aiatolá Ali Sistani, figura tutelar da política iraquiana, considerou o ataque americano "injustificável", enquanto seu representante na cidade sagrada xiita de Kerbala leu o sermão que denunciou "uma violação flagrante da soberania iraquiana". Centenas de fiéis gritaram "Não aos Estados Unidos".

Há vários anos o Iraque se encontra no meio do fogo cruzado entre seus dois grandes aliados: Estados Unidos e Irã.

Em 2003, ao derrubar o regime de Saddam Hussein, Washington passou a controlar as questões iraquianas. Mas Teerã e o movimento pró-Irã se infiltraram no sistema aplicado pelos americanos.

As forças pró-Teerã acumularam um arsenal graças ao Irã, mas também ao longo de anos de combate junto com os americanos, em particular contra o Estado Islâmico.

Washington respondeu à ação contra sua embaixada, que fica no centro da ultraprotegida Zona Verde de Bagdá, assim como a semanas de ataques com foguetes contra seus diplomatas e soldados.

"Os serviços de inteligência americanos seguiam Qasem (Soleimani) há muitos anos, mas nunca apertaram o gatilho. Ele sabia, mas não calculou até que ponto suas ameaças de criar outra crise de reféns na embaixada (em Bagdá) mudaria as coisas", explicou à AFP Ramzy Mardini, do 'Institut of Peace', recordando o trauma provocado nos Estados Unidos pela tomada de reféns na representação diplomática americana em Teerã em 1979.

"Trump mudou as regras ao eliminá-lo", disse.

Divisão política nos EUA

As consequências do assassinato de uma das figuras mais populares do Irã provocaram preocupação nos Estados Unidos e uma nova divisão entre democratas e republicanos, que apoiaram o ataque, a menos de um ano das eleições presidenciais nos Estados Unidos.

O Congresso americano não foi informado com antecedências sobre o ataque. Este bombardeio ameaça provocar "uma perigosa escalada da violência", advertiu a presidente da Câmara de Representantes, a democrata Nancy Pelosi.

O senador Bernie Sanders, pré-candidato do partido Democrata às eleições de 2020, condenou publicamente o ataque de Donald Trump, através de sua conta oficial no Twitter. "Quando eu votei contra a guerra do Iraque em 2002, temi que isso levasse a uma maior desestabilização daquela região. Esse medo infelizmente provou-se verdadeiro. Os EUA já perderam aproximadamente 4.500 soldados, dezenas de milhares foram feridos e nós gastamos trilhões [de dólares]", escreveu.

"A escalação perigosa de Trump nos deixa mais próximos de uma guerra desastrosa no Oriente Médio, que pode nos custar incontáveis vidas e mais trilhões de dólares. Trump prometeu terminar guerras intermináveis, mas essa ação nos coloca na direção de mais uma."

Joe Biden, vice-presidente de Barack Obama e também candidato democrata às eleições de 2020, publicou uma nota oficial em suas redes sobre o ataque, afirmando que o general Suleimani "apoiava o terror e o caos" e "merecia ser entregue à Justiça", mas que a estratégia de Trump "deve ser explicada ao povo norte-americano".

"[...] O Irã certamente irá responder. Nós podemos estar à margem de um enorme conflito no Oriente Médio. Espero que essa administração tenha pensado nas consequências de segunda e terceira ordens do caminho que ela escolheu. Mas temo que ela não tenha demonstrado em nenhuma atitude a disciplina ou a visão de longo prazo necessária - e o risco não poderia ser maior."

O tom do pronunciamento de Biden foi similar ao da senadora democrata Elizabeth Warren, que também condenou as ações do general Suleimani, mas discordou da atitude tomada pelo atual presidente norte-americano. "Nossa prioridade deve ser evitar mais uma guerra custosa", escreveu.

Economia responde a conflito

As principais Bolsas do mundo operavam em queda nesta sexta-feira, enquanto as cotações do petróleo registravam alta.

O petróleo iraniano está submetido a sanções americanas e a crescente influência de Teerã no Iraque, o segundo maior produtor da Opep, gera o temor entre os especialistas de um isolamento diplomático e de sanções políticas e econômicas

Na praça Tahrir de Bagdá, epicentro dos protestos contra o governo e seu aliado Irã que abalam o país há mais de três meses, dezenas de iraquianos celebraram a morte do general Soleimani. O secretário de Estado americano, Mike Pompeo, compartilhou um vídeo no Twitter de pessoas "dançando pela liberdade".

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Brasileiros fazem memes com 'terceira guerra mundial'

Presidente Donald Trump diz que Irã 'nunca venceu uma guerra'

Ataque ao Irã terá impacto no preço do combustível no Brasil, diz Bolsonaro

Ataque dos EUA ao Irã faz petróleo disparar e derruba bolsas

Mais conteúdo sobre: