Piauí

Professoras cobram nomeação do Governo do Piauí após decisão do TJ

Para resolver a situação, os advogados que representam as professoras encaminharam ao Tribunal de Justiça do Piauí uma petição onde informam o descumprimento da decisão e pedem providências.

Bárbara Rodrigues
Teresina
23/01/2020 08h00 - atualizado 08h01

Três professoras ingressaram com petição, no dia 17 de janeiro, informando ao Tribunal de Justiça do Piauí que o governador Wellington Dias (PT) não está cumprindo com decisão judicial que determinou a nomeação delas ao cargo de professoras na Universidade Estadual do Piauí (Uespi).

As professoras Brunna Verna Castro Gondinho, aprovada em Odontologia, Lucimara Alves da Conceição Costa aprovada em Letras na área de Linguística, e Eliana Pereira de Carvalho aprovada em Letras na área de Literatura, são as que estão pedindo o cumprimento da decisão.

Ao GP1, Bruna Verna explicou a situação. “O governo do Estado não está cumprindo a decisão judicial em relação a nomeação dos professores da Uespi. Os professores que foram aprovados no último concurso, tiveram que entrar na justiça para ter o direito assegurado. A gente ganhou na Justiça. Já temos mais de um mês de não cumprimento da decisão judicial. Foi em outubro a decisão e o desembargador deu um prazo que se encerrou no dia 19 de dezembro de 2019 no meu caso”, explicou.

Ela explicou que já entrou em contato com o governo e que até agora não existe qualquer previsão de nomeação, mesmo com a decisão. “A Segov informou que o decreto de nomeação está na Secretaria de Administração. Já a Secretaria de Adminsitração informou que não tem nenhum decreto lá e que não estão sabendo de nada. Então estamos nesse ping-pong e não temos uma resposta”, criticou Bruna.

Para resolver a situação, os advogados que representam as professoras encaminharam ao Tribunal de Justiça do Piauí uma petição onde informam o descumprimento da decisão e pedem providências.

Outro lado

O GP1 entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Governo, que afirmou que o caso das professoras ainda está tramitando, pois foi pedido um parecer de impacto financeiro à Secretaria Estadual de Administração em relação as nomeações. Não existe previsão para que a situação seja resolvida.

Mais conteúdo sobre: