Ciência e Tecnologia

Programa Mundial de Alimentos da ONU ganha o Nobel da Paz em 2020

Comitê Nobel da Noruega destacou a contribuição da agência para melhorar as condições para a paz em áreas atingidas por conflitos e por prevenir o uso da fome como arma de guerra.

Por  Estadão Conteúdo
09/10/2020 07h12

O Programa Mundial de Alimentos (WFP, na sigla em inglês) da Organizaçao das Nações Unidas (ONU) ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2020, anunciou o Comitê Nobel da Noruega nesta sexta-feira, 9.

A organização destacou o programa promovido pela ONU "por seus esforços para combater a fome, por sua contribuição para melhorar as condições de paz em áreas afetadas por conflitos e por atuar como uma força motriz nos esforços para prevenir o uso da fome como arma de guerra e conflito."

O WFP é é o maior programa de combate à fome do planeta e busca promover a segurança alimentar. Apenas em 2019, a agência da ONU forneceu assistência para cerca de 100 milhões de pessoas em 88 países.

Nos últimos anos, no entanto, a situação vem se agravando, com 135 milhões de pessoas passando fome, aumento causado majoritariamente por guerras e conflitos armados. A agência, em paralelo, tem dificuldades para receber os recursos necessários para expandir seu trabalho.

A premiação ganha ainda mais importância em um ano em que o mundo enfrenta uma grave crise alimentar por causa da pandemia do novo coronavírus.

"O mundo está enfrentando fome generalizada de proporções bíblicas", alertou em abril David Beasley, o chefe da agência de assistência alimentar da Organização das Nações Unidas (ONU). O diretor executivo do órgão afirmou que há pouco tempo disponível para agira antes que centenas de milhões passem fome.

'Cooperação e multilateralismo'

Ao entregar o prêmio para o braço das Nações Unidas, o Comitê Norueguês do Nobel elogiou o programa por seus "esforços para acabar com a fome no mundo e pela necessidade de solidariedade e multilateralismo".

A premiação ao programa é uma forma de apoio a ONU, que completou 75 anos em 2020. O Sistema das Nações Unidas enfrenta desconfiança, ataques populistas e incertezas sobre o futuro em meio à ascensão de governos populistas.

"A necessidade de solidariedade internacional e cooperação multilateral é mais conspícua que nunca", disse a presidente do comitê, Berit Reiss-Andersen. "O Prêmio Nobel da Paz de 2020 foi para o Programa Mundial de Alimentos por seus esforços de combate à fome, por sua contribuição para melhorar as condições para a paz em áreas atingidas por conflitos e por agir como força-motriz dos esforços para prevenir a fome como uso de arma de guerra e conflito."

Em seu anúncio, Reiss-Andersen ressaltou que a pandemia de covid-19 teve como consequência um grande aumento do número de vítimas da fome que, somada ao aumento de conflitos em países como Iêmen, República Democrática do Congo, Nigéria, Sudão do Sul e Burkina Faso teve efeitos dramáticos. Diante da pandemia, o Programa Mundial de Alimentos "demostrou uma habilidade impressionante para intensificar seus esforços".

Outros premiados com o Nobel da Paz

No ano passado, o laureado foi o primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, "por seus esforços para alcançar a paz e a cooperação internacional, principalmente por sua iniciativa decisiva destinada a resolver o conflito na fronteira com a Eritreia".

Em 2018, a jovem yazidi Nadia Murad e o ginecologista congolês Denis Mukwege ganharam o Nobel da Paz por seus esforços contra o uso da violência sexual como arma de guerra. No ano anterior, ganhou a Campanha Internacional para a Abolição de Armas Nucleares, por chamar a atenção para as consequências do uso do armamento e chegar a um acordo pelo fim das armas nucleares.

Em 2017, em razão de seus esforços para obter um acordo de paz com as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia), o ex-presidente colombiano Juan Manuel Santos levou o prêmio.

Algumas das grandes surpresas incluem a paquistanesa Malala Yousafzai, que recebeu o prêmio em 2014, aos 17 anos, "pela luta contra a opressão das crianças e dos jovens e pelo direito de todas as crianças à educação". Ela se tornou a pessoa mais jovem a receber o Nobel.

Outra grande surpresa, muito contestada à época, foi a escolha, em 2009, do então presidente american Barack Obama, agraciado por seus "esforços extraordinários para fortalecer a diplomacia internacional e a cooperação entre os povos".

Desde a última segunda-feira, o Nobel já divulgou os laureados das categorias de Medicina,Física,Química e Literatura.

Como funciona o Nobel da Paz

O prêmio Nobel da Paz é concedido, desde 1901, a homens, mulheres e organizações que trabalharam para o progresso da humanidade, conforme o desejo de se criador, o inventor sueco Alfred Nobel. Ele é lembrado como o patrono das artes, das ciências e da paz que, antes de morrer, no limiar do século 20, transformou a nitroglicerina em ouro.

O prêmio é entregue pelo Comitê Norueguês do Nobel, composto por cinco membros escolhidos pelo Parlamento norueguês. O vencedor recebe, além de uma medalha de ouro, 9 milhões de coroas suecas, o equivalente a US$ 910 mil (R$ 5 milhões).

Indicar uma pessoa a um prêmio Nobel é relativamente simples. O comitê organizador distribui (e fornece em seu site) formulários para centenas de formadores de opinião.

As fichas com as sugestões são enviadas até o fim de janeiro de cada ano e então cada uma delas é avaliada até outubro, quando os vencedores são anunciados. Ao longo desse processo, a lista é reduzida para uma versão menor, com no mínimo cinco e no máximo 20 nomes, que são revisados. Os jurados debatem essa lista e buscam alcançar o consenso – quando ele não acontece, a escolha se dá por votação.

A entrega dos prêmios ocorre em dezembro. Mas pode acontecer de o comitê decidir que ninguém mereceu vencer o Nobel da Paz naquele ano – a honraria não foi entregue em 20 ocasiões, a mais recente delas em 1972.

Ate hoje, cinco vencedores não puderam participar da cerimônia em Oslo. Em 1936, o jornalista e pacifista alemão Carl von Ossietzky estava em um campo de concentração nazista. Em 2010, o dissidente chinês Liu Xiaobo foi preso e, portanto, sua cadeira, na qual o prêmio foi depositado, ficou simbolicamente vazia. Desde 1974, os estatutos da Fundação Nobel estipulam que um prêmio não pode ser concedido postumamente, a menos que a morte ocorra após o anúncio do nome do vencedor.