Piauí

Projeto na Alepi garante mais tempo para disléxicos em concursos

Segundo o projeto de lei, os editais de concursos públicos e de vestibulares devem informar de maneira clara e objetiva, as normas que regem sobre a necessidade de atendimento especializado.

Bárbara Rodrigues
Teresina
01/09/2020 17h20 - atualizado 17h22

Tramita na Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi) projeto de lei que determina atendimento especializado para pessoas com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH) e dislexia nos concursos públicos e vestibulares no estado do Piauí.

De acordo com a proposição, seria concedido um tempo adicional de uma hora e meia para as pessoas inscritas com TDAH e dislexia, no local da prova deve ter um profissional transcritor para auxiliar na escrita e preenchimento do cartão-resposta, assim como deve ter uma sala diferenciada e a correção da prova escrita e de redação seria com base em uma matriz específica.

  • Foto: DivulgaçãoConcurso públicoConcurso público

Segundo o projeto de lei, os editais de concursos públicos e de vestibulares devem informar de maneira clara e objetiva, as normas que regem sobre a necessidade de atendimento especializado para pessoas com Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade e dislexia.

A proposição foi apresentada, por Franzé Silva (PT), quando ele ainda estava como deputado estadual, mas agora ele retornou para o cargo de secretário estadual de Administração e Previdência.

“Estima-se que no Brasil, o TDAH e a dislexia atinjam cerca de 8% da população. Um número considerável de pessoas com sintomas que atrapalham a interação social e o desempenham aumentam o risco de depressão, transtorno de ansiedade e suicídio. Tal condição, portanto, requer atendimento especializado para garantir que os candidatos possam concorrer em melhores condições, e assim, ganho no desempenho”, disse Franzé Silva em sua justificativa apresentada.