Teresina - PI

Regina Sousa quer acordo entre petistas em disputa pela prefeitura

O partido já teve cinco nomes interessados na disputa pelo Palácio da Cidade e agora tem apenas três. São eles os deputados Fábio Novo e Franzé Silva e o ativista político Júnior do MP3.

Bárbara Rodrigues
Teresina
Germana Chaves
Teresina
01/10/2019 20h18 - atualizado 20h59

A vice-governadora Regina Sousa (PT) afirmou nessa terça-feira (1) que está feliz com o andamento das discussões do Partido dos Trabalhadores em relação a disputa pela Prefeitura de Teresina no próximo ano e espera que os petistas cheguem a um acordo.

O partido já teve cinco nomes interessados na disputa pelo Palácio da Cidade e agora tem apenas três. São eles: os deputados estaduais Fábio Novo e Franzé Silva e o ativista político Júnior do MP3.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Regina SousaRegina Sousa

Regina disse que espera um acordo entre os interessados e destacou o fato dos petistas que querem concorrer, estarem conversando bastante entre si para discutem o rumo do partido. “O PT começa essa discussão, então talvez até apareçam mais candidatos. Eles vão construindo e conversando entre si. O que estou gostando muito é que eles estão conversando, então pode ser que cheguem em um acordo”, afirmou.

Ela explicou que sem acordo, o PT vai realizar as prévias que vão decidir quem vai representar a legenda. “Se não chegar temos as prévias em abril ou maio. A regra do PT é a prévia”, explicou.

Encontro

No dia 26 de outubro foi realizado um encontro na Câmara Municipal de Teresina, onde o ex-secretário de Justiça, Daniel Oliveira retirou seu nome da disputa pela Prefeitura de Teresina e com isso o deputado estadual Fábio Novo passou a ser apoiado como o novo pré-candidato do grupo que tem os vereadores Dudu Borges e Deolindo Moura, e o suplente de deputado estadual, Cícero Magalhães.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Franzé diz que querem desestabilizar nome de Fábio Novo para 2020

Grupo liderado por Dudu declara apoio a Fábio Novo para 2020

Fábio Novo diz que vai trabalhar por consenso nas eleições de 2020