Teresina - PI

Robert Rios diz que "Xico Prime" foi censurado por Charles da Silveira

“No Brasil tem remédio jurídico para quem se achar injuriado, caluniado ou difamado, mas impedir de usar grupo de WhatsApp é censura e uso abusivo do poder judiciário”, afirmou o ex-deputado.

Wanessa Gommes
Teresina
Germana Chaves
Teresina
25/06/2019 20h14 - atualizado 20h56

O ex-deputado Robert Rios criticou em entrevista ao GP1, nesta terça-feira (25) a censura que foi imposta a Marciano Valério Antão Arrais administrador do famoso grupo de Whatsapp, “Xico Prime”, que desde o dia 12 de junho está impedindo de usar qualquer aplicativo de comunicação, seja ele o próprio Whatsapp ou outro similar.

Segundo Rios, Marciano está sendo censurado pelo presidente da Fundação Municipal de Saúde Charles da Silveira. “No Brasil tem remédio jurídico para quem se achar injuriado, caluniado ou difamado, mas impedir de usar grupo de WhatsApp é censura e uso abusivo do poder judiciário”, afirmou.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Robert Rios Robert Rios

Questionado se a iniciativa de Charles da Silveira, que ingressou com ação e o pedido de censura na Justiça, teve motivação política, Robert foi enfático ao responder que “claro que sim”.

Para Robert, a Prefeitura de Teresina não terá êxito eleitoral com esse tipo de estratégia.

Entenda o caso

A decisão do juiz de direito Valdemir Ferreira Santos, da Central de Inquérito de Teresina, foi dada no dia 12 de junho deste ano, após representação feita pela Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática solicitando expedição de medidas cautelares diversas da prisão.

Além de não poder usar qualquer aplicativo de comunicação, seja ele o próprio Whatsapp ou outro similar, Marciano ainda está proibido de manter contato e de fazer ofensas contra o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Charles da Silveira, por qualquer meio de comunicação.

NOTÍCIA RELACIONADA

Justiça impõe censura ao administrador do grupo "Xico Prime"