Saúde

Servidores da Saúde de Teresina realizam manifestação na FMS

Uma reunião com a categoria foi marcada para a próxima terça-feira (10), na sede da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

Nayrana Meireles
Teresina
Brunno Suênio
Teresina
05/07/2018 12h00 - atualizado 12h00

Trabalhadores da Saúde de Teresina realizam protesto na FMS

Assistentes sociais, psicólogos, farmacêuticos, profissionais de radiologia, administrativos, agentes de portaria, técnicos de patologia, médicos, dentre outros trabalhadores do serviço público municipal de saúde se reuniram na manhã desta quinta-feira (5), em frente a sede da Fundação Municipal de Saúde (FMS), para cobrar respostas da gestão sobre as demandas do setor.

Para o diretor do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina (SINDSERM), Sinésio Soares, o objetivo dos profissionais é abrir um canal de diálogo com a prefeitura. “Hoje é um momento histórico. A maioria dos sindicatos da saúde municipal de Teresina estão unificados no sentido de abrir um canal de negociação com a prefeitura, com o presidente da Fundação Municipal de Saúde a cerca de uma série de problemas de problemas que vêm acontecendo”, disse.

Sinésio Soares destacou ainda os principais problemas enfrentados atualmente pelos profissionais de Teresina. “Eles vêm tornando as condições de trabalho cada vez mais insalubres. Para se ter uma ideia, no HUT antigamente usávamos um avental para cada paciente e agora utilizamos um para o plantão inteiro, ou seja, o risco de contaminação aumentou. Eles estão racionando toucas, luvas. Há um desperdício lá de carros seminovos, que estão apodrecendo ao relento. Nesse sentido, a gente quer conversar, porque a gente sabe que a prefeitura possui recursos para manter a insalubridade e tem recursos para conceder o reajuste de 2017, que é uma obrigação constitucional e até agora não concederam. Várias pautas da saúde são comuns a todos os sindicatos, então isso aqui é uma vitória, Há uma sinalização de negociação e esperamos que na próxima semana eles realmente nos recebam, como disseram que vão receber as categorias”, afirmou.

Greve

De acordo com o presidente do Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (SIMEPI), Samuel Rego, uma assembleia será realizada ainda nesta quinta-feira, para decidir se a categoria vai ou não deflagrar a greve. “Vai ter assembleia hoje às 20h. As reivindicações são as condições de trabalho, que estão muito ruins, o reajuste de 2017, que não foi dado. Estamos querendo o piso da Federação Nacional dos Médicos (Fenan), que hoje o valor para 20h está em torno de R$ 3 mil. Estamos com dificuldade em ter um diálogo com a prefeitura. Ele hoje pela primeira vez abriu um diálogo com a categoria e uma reunião foi marcada para a próxima terça-feira (10)”, informou.

Reunião com a prefeitura

Em nota, a Fundação Municipal de Saúde (FMS), confirmou que foi marcada para a próxima terça-feira (10), às 12h uma audiência com o SIMEPI para dialogar sobre as pautas da categoria.

Confira a nota na íntegra:

A Fundação Municipal de Saúde vai receber na próxima terça-feira(10), às 12 horas, a diretoria do Sindicado dos Médicos do Piauí. O pedido de nova audiência foi solicitada pelo SIMEPI, via ofício, ontem (4) às 11h e 11 minutos. A FMS este ano já recebeu o Sindicato dos Médicos três vezes e intermediou uma audiência com a Secretaria de Administração onde o SIMEPI foi recebido. A FMS também respondeu o ofício enviado pelo SIMEPI com as reivindicações da categoria.