Piauí

Sindepol-PI rebate denúncia do promotor Galeno contra Luccy Keiko

"O SINDEPOL confia na lisura e retidão do trabalho dos Delegados, que sempre se empenham no combate à criminalidade e agem pautados em total conformidade e respeito à lei", disse o sindicato em nota.

Brunno Suênio
Teresina
10/09/2019 16h26 - atualizado 17h08

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Piauí (Sindepol-PI) esclareceu, por meio de nota, a denúncia apresentada pelo promotor de Luís Correia, Galeno Aristóteles, dando conta de uma suposta prática de associação criminosa atribuída ao delegado geral da Polícia Civil do Piauí, Luccy Keiko, e ao delegado regional de Parnaíba, Eduardo Ferreira, os acusando de tentar atrapalhar investigações que apuravam grilagem de terras no litoral do Piauí.

O Sindepol afirma que apesar de respeitar a instituição do Ministério Público, não pode corroborar com atos de abuso de autoridade conferidos ao promotor Galeno, que chegou a ser denunciado ao Conselho Nacional do Ministério Público por ter mantido o delegado Eduardo Ferreira em cárcere privado no último dia 28 de maio de 2019 dentro da própria delegacia.

No que diz respeito às ações de improbidade administrativa e associação criminosa, o Sindepol afirmou que só irá se manifestar após ter conhecimento da íntegra do conteúdo que fundamentaram as ações.

Confira a nota na íntegra:

Nota de Esclarecimento

O Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Piauí vem, por meio desta, esclarecer os fatos acerca das ações de improbidade administrativa e associação criminosa nas quais os delegados de polícia Luccy Keiko Leal e Eduardo Ferreira foram denunciados pelo Promotor Galeno Aristoteles, da comarca de Luís Correia, no litoral do Piauí.

O SINDEPOL informa que, representando seus associados, Luccy Keiko Leal e Eduardo Ferreira, respectivamente, Delegado Geral da Polícia Civil do Estado Piauí e Delegado Regional da cidade de Parnaíba -PI, em resposta a equipe de jornalismo O Globo, primeiramente esclarece que os Delegados de Polícia do Estado Piauí têm respeito à instituição do Ministério Público do nosso Estado e admiração pelo trabalho desenvolvido por seus servidores. Entretanto, não podemos corroborar com atos de abuso de autoridade, razão pela qual apresentamos denúncia ao Conselho Nacional do Ministério Público contra ato isolado do Promotor Galeno Aristóteles Coelho de Sá em desfavor do Delegado Eduardo Ferreira, após privar-lhe injustamente de sua liberdade de locomoção sem ordem judicial.

Em relação às ações de improbidade administrativa e associação criminosa nas quais os delegados de polícia Luccy Keiko Leal e Eduardo Ferreira figuram como denunciados, o Sindicato dos Delegados, por meio de nossa assessoria jurídica, prestará toda assistência aos nossos Delegados de polícia assim que forem citados de tais ações, não podendo se manifestar sem conhecer a integralidade do conteúdo que fundamentaram essas ações. Entretanto, nos surpreende que tais denúncias só foram realizadas pelo Promotor Galeno Aristóteles após o recebimento da denúncia do Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Piauí ao CNMP.

O SINDEPOL confia na lisura e retidão do trabalho dos Delegados, que sempre se empenham no combate à criminalidade e agem pautados em total conformidade e respeito à lei, buscando respeito aos direitos e garantias de todos. Salientamos ainda que somos defensores da liberdade dos Delegados de Polícia para desempenharem sua função primordial de investigação criminal.

Teresina, 21 de agosto de 2019.

A DIRETORIA

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Promotor Galeno é acusado de manter delegado em cárcere privado

Exclusivo! Procuradora determina afastamento do promotor Galeno Aristóteles

Associação divulga nota em defesa do promotor Galeno Aristóteles

Erivan Lopes diz que está sendo alvo de vingança do promotor Galeno

TJ suspende decisão que impedia investigação contra promotor Galeno