Ciência e Tecnologia

Surto e estoque baixo já fazem Brasil buscar vacina de sarampo no exterior

Até 31 de julho, foram confirmados 967 casos no Estado de São Paulo.

Por  Estadão Conteúdo
07/08/2019 07h29

Com estoques limitados, o Ministério da Saúde iniciou busca no mercado internacional para compra de vacina contra sarampo. Diante da explosão de casos em São Paulo e com receio de que o quadro se replique em outros pontos do País, a pasta procura alternativas para eventual aumento expressivo da demanda. Uma das possibilidades é usar quantitativo que havia sido reservado para uma campanha de multivacinação, programada para este semestre.

“A Opas (Organização Pan-Americana de Saúde) também já se prontificou a ofertar vacinas, caso seja necessário”, disse ao Estado o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson Kleber de Oliveira. “A preparação para compra seria para um cenário mais complexo. Os Estados estão abastecidos e orientados a seguir as condutas.” Mas depois completou: “Não adianta todos quererem vacinar todo mundo.”

Até 31 de julho, foram registrados 967 casos confirmados de sarampo e a capital concentra 80% dos registros, segundo a Secretaria da Saúde paulista. O ministério considera ainda que Rio, Bahia e Pará estão com surto. Infecções confirmadas antes de maio não são mais incluídas no boletim oficial. A pasta afirma que, com longo período sem casos novos, nesses locais a transmissão foi interrompida.

Para frear a expansão da doença, campanhas voltadas a crianças e jovens adultos em São Paulo foram organizadas, incluindo postos volantes. O ministério emitiu ainda recomendação ampliando a indicação de vacina nos casos de bebês que viajam a áreas de risco para sarampo. Tradicionalmente, a primeira dose do imunizante é dada quando a criança faz 1 ano. No informe da pasta, a indicação é de que nos casos de viagem a dose seja dada já aos 6 meses. Há grande número de bebês menores de 1 ano infectados.

Para Oliveira, isso se deve, sobretudo, ao fato de as mães desses bebês não terem sido imunizadas e, assim, não passarem os anticorpos da doença para o bebê na amamentação. Pela lista do ministério, 37 cidades de São Paulo, Pará, Bahia e Rio são consideradas de risco. A vacinação deve ser feita até 15 dias antes da viagem e não dispensa a aplicação das duas doses tradicionais, aos 12 e aos 15 meses.

Mensalmente, o ministério encaminha para Estados 2,5 milhões de doses da vacina. Diante da expansão de casos em São Paulo, foram encaminhadas 4,3 milhões de imunizantes para o Estado. Desde 10 de junho, 902,2 mil pessoas de 15 a 29 anos foram imunizados. A meta é vacinar 4,4 milhões até dia 16.

Estratégia

Como o Estado revelou, o ministério abriu caminho na segunda para decretar emergência em saúde pública por causa do sarampo. Foi posto em operação o Comitê Operativo de Emergência em Saúde. Composto por membros de vigilância, vacinação, atendimento hospitalar, atenção básica e assistência farmacêutica, o grupo é encarregado de fazer acompanhamento diário da evolução da epidemia e traçar estratégias, se os casos aumentarem de forma acima do previsto.

Oliveira, no entanto, a avalia que o principal é manter ações de bloqueio e imunizar grupos prioritários. A vacinação em escolas é outra medida considerada importante. “Não adianta a imunização sem critério. É preciso concentrar esforços nos grupos mais vulneráveis.”

O sarampo é altamente contagioso e pode matar. A estimativa é de que um infectado tenha capacidade de contaminar 40 pessoas próximas. Tradicionalmente, o período de mais risco é em meses frios. A transmissão geralmente perde força a partir de setembro.

A vacina usada no País é produzida por Biomanguinhos. Este ano, serão preparadas 26 milhões de doses – 12 milhões já foram entregues. Conforme o laboratório, diante de um pedido do ministério, seria possível pensar em alternativas.

Nos últimos cinco anos, a produção de vacina de sarampo variou de modo expressivo. No surto de febre amarela, Biomanguinhos teve de reduzir a produção de vacina de sarampo para produzir mais imunizante contra a febre. “Como ambas compartilham uma mesma linha de produção, o aumento da demanda de uma afeta a capacidade do fornecimento de outra.”

Nova onda não tem origem em casos vindos da Venezuela

O novo ciclo de sarampo não tem ligação com os primeiros casos registrados da doença, em 2018, disse o secretário de Vigilância em Saúde do ministério, Wanderson Kleber de Oliveira. A 1ª onda teve início com cepas vindas da Venezuela e atingiu sobretudo o Norte. Desta vez, foi desencadeada por casos importados de Malta, Israel e Noruega.

Em fevereiro, após um surto ter sido identificado, um transatlântico atracou no Porto de Santos. Meses depois, um viajante vindo de Israel infectado provocou novo ciclo, transmitindo para um grupo próximo. Nesta segunda onda, porém, a expansão foi muito mais rápida. Este ano, o Brasil perdeu o certificado de país livre de sarampo, dado pela Organização Pan-Americana de Saúde em 2016.

Doença pode levar à morte

O que é o sarampo?

O sarampo é uma doença infecciosa aguda, de natureza viral, grave, transmitida por fala, tosse e espirro, e extremamente contagiosa. Pode causar otite, cegueira, surdez e até levar à morte.

Quais são os sintomas?

Febre, tosse, conjuntivite e manchas vermelhas no corpo.

Quem já tomou a vacina deve tomar de novo?

Não é preciso, uma vez que não há prazo de validade para a imunização. Jon Carlos Delorenzi, especialista da Mackenzie, ressalta, porém, que, como há um surto, é recomendado que todos tomem a vacina, mesmo já tendo se vacinado.

Em SP, até quando vai a campanha de vacinação?

A campanha vai até o dia 16 e a imunização é gratuita.

Mais conteúdo sobre: