Campo Largo do Piauí - PI

TRF manda interrogar testemunhas em ação contra prefeito Rômulo Aécio

O prefeito é réu acusado de utilizar bens públicos, precisamente uma enchedeira, patrol, carro-pipa, tratores e caçamba para construir uma mansão com piscina.

Gil Sobreira
Teresina
30/11/2019 11h56 - atualizado 12h32

As testemunhas de acusação arroladas pelo Ministério Público Federal na ação penal que pede a condenação do prefeito Rômulo Aécio Sousa, do Município de Campo Largo do Piauí/PI, serão ouvidas através de carta precatória expedida na ultima terça-feira (26) para o juízo da Comarca de Porto/PI por determinação do desembargador Hilton Queiroz, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região.

O prefeito é réu acusado de utilizar bens públicos, precisamente uma enchedeira, patrol, carro-pipa, tratores e caçamba, colocados à disposição do município pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC2), para beneficiar um terreno de sua propriedade, situado na zona urbana do município.

  • Foto: Lucas Dias/GP1Rômulo Aécio, Prefeito de Campo Largo do PiauíRômulo Aécio, Prefeito de Campo Largo do Piauí

Os bens foram empregados na construção de uma mansão com piscina, campo de futebol society e açude/tanque de peixe na propriedade particular do prefeito, que, em tese, cometeu o crime previsto no art.1°, Inciso II, do Decreto Lei 201/67.

Serão ouvidas três testemunhas: Antônio de Jesus Sampaio, Manasseis de Souza Araújo e o vereador Paulo César Machado de Carvalho em data a ser designada.

A carta precatória deverá ser cumprida no prazo de 60 dias.

Outro lado

Rômulo Aécio não foi localizado pelo GP1.

NOTÍCIAS RELACIONADAS

Prefeito Rômulo Aécio vira réu por usar bens públicos para fazer mansão

Rômulo Aécio é investigado por usar bens públicos para fazer mansão