Economia e Negócios

Venda de veículos novos recua 3,1% no mês de janeiro

Foram vendidas 193,4 mil unidades em todo o País; federação de concessionárias diz que adoção de novas placas afetou resultado.

Por  Estadão Conteúdo
04/02/2020 15h29

O mercado de veículos novos começou o ano em baixa no Brasil. Foram vendidas 193,4 mil unidades no primeiro mês de 2020, queda de 3,1% ante janeiro do ano passado, em comparação que considera os segmentos de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus. Em relação ao último mês de 2019, que tradicionalmente é mais aquecido, houve recuo de 26,3%.

Os números foram divulgados nesta terça-feira, 4, pela Fenabrave, federação que reúne as concessionárias de veículos, e mostram que o ano foi iniciado na contramão da projeção da entidade para 2020. A Fenabrave divulgou no início de janeiro que espera expansão do mercado total de 9,6%, para 3,05 milhões de unidades. Apesar da queda, a estimativa está mantida.

Entre os veículos leves, que somam os segmentos de automóveis e comerciais leves e representam mais de 90% do mercado, os emplacamentos atingiram 184,1 mil unidades em janeiro, queda de 3,4% na comparação com igual mês de 2019 e de 26,9% em relação ao último mês do ano passado. A projeção para o ano é de alta de 9%.

O mercado de ônibus também começou 2020 em queda. Foram 2,1 mil unidades vendidas em janeiro, baixa de 2,2% em relação a janeiro do ano passado e de 11,5% na comparação com dezembro de 2019. A previsão para o ano é de aumento de 16%.

O segmento de caminhões foi o único que registrou variação positiva. As vendas cresceram 3,6% em janeiro ante igual mês do ano passado, para 7,1 mil unidades. Contudo, não resistiu à comparação com dezembro e teve recuo de 13,7%. A projeção para o ano é de alta de 24%.

Emplacamento

Segundo o presidente da Fenabrave, Alarico Assumpção Jr, o mercado de veículos leves novos foi prejudicado em janeiro pela adoção das novas placas do Mercosul, que serão padronizadas em todos os países que compõem o bloco.

De acordo com o executivo, a obrigatoriedade da nova placa no Brasil atrasou emplacamentos, principalmente em São Paulo. Cerca de 9 mil carros deixaram de ser emplacados em janeiro por causa das mudanças, informou Assumpção. Se essas unidades tivessem sido emplacadas, o mercado de carros novos teria crescido 1%, calculou o presidente da Fenabrave.

Esses emplacamentos atrasados devem ser registrados no mês de fevereiro.

Mais conteúdo sobre: