Política

Wellington Dias destaca desafios do Piauí em entrevista à GloboNews

No programa, Wellington Dias foi questionado sobre o que pretende tratar na leitura da Mensagem Anual que será realizada hoje na Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi).

Bárbara Rodrigues
Teresina
04/02/2019 09h51 - atualizado 09h52

O governador Wellington Dias (PT) foi entrevistado nesta segunda-feira (4), ao vivo no programa “Em Ponto”, na GloboNews onde falou sobre desafios à frente do Governo do Piauí. Os jornalistas José Roberto Burnier e Julia Duailibi estão fazendo uma série de entrevistas com os governadores eleitos.

No programa, Wellington Dias foi questionado sobre o que pretende tratar na leitura da Mensagem Anual que será realizada hoje na Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), onde irá falar dos desafios da sua gestão em 2019. O governador então explicou que o objetivo é fazer o IDH do Estado crescer e fazer uma reforma administrativa.

“Tínhamos um IDH muito baixo, passamos para baixo, e agora estamos em médio desenvolvimento. Queremos em 2022, quando completa esse ciclo, alcançar o alto desenvolvimento e para mim é uma alegria voltar a Assembleia pela quarta vez, pois estou no meu quarto mandato, e dizer que é possível realizar este sonho. Então estamos apresentando nos próximos dias uma reforma no estado, para adequar, por necessidade, a situação que nós estamos prevendo para 2019. Veja que nesse período de 2014 a 2018 nós vivenciamos uma das mais profundas recessões do Brasil. O Piauí permaneceu em pé, enquanto vários estados tiveram dificuldades, atrasaram salários, governadores da melhor qualidade tiveram dificuldades. No Piauí: crescimento econômico, saldo positivo de crescimento, de emprego, ampliação de investimentos. Tivemos dificuldades? Sim, mas nós enfrentamos, encaramos, tomamos medidas e tivemos bons resultados”, afirmou.

Questionado se não poderia ter feito essas melhorias no índice de desenvolvimento humano no seu primeiro mandato, Wellington Dias explicou que é preciso muito tempo para fazer uma mudança como essa.

“É claro que não é possível pegar um Estado com IDH 0,4 e resolver em um mandato. Estamos falando em uma população muito grande, com uma situação de analfabetismo, tivemos que cuidar das novas gerações, investir pesado principalmente em educação. O maior problema era um atraso na educação e o Piauí foi um dos que mais avançou. Em questão de educação estamos entre os Estados que têm mais municípios com nota 5, ou mais no IDEB, o que é uma coisa positiva. Somos o primeiro estado brasileiro a ter educação técnica em todos os municípios, nos 224, e agora estamos com a tele-educação, onde chegamos a 182 municípios com educação superior, com bacharelado em Administração. Chegando a pequenos municípios e quero chegar nesse mandato a todos os municípios”, destacou.

Ele disse ainda que o desafio é grande, mas que “desde o primeiro momento, eu não disse que era fácil. Que demorava 20 anos [para melhorar o IDH]. Eu era governador em 2003 quando assumimos esse compromisso e o povo me confiou fazer essa última etapa até 2022 se Deus quiser”.

Mais conteúdo sobre: