Polícia

Greco explica como atuavam policiais presos na Operação Cargas

A Operação Carga foi deflagrada pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO) com apoio da Corregedoria da Polícia Militar do Piauí e da Divisão de Operações Especiais da Polícia Civil.

Andressa Martins
Teresina
Brunno Suênio
Teresina
Nayrana Meireles
Teresina
30/05/2019 14h02 - atualizado 14h39

A Polícia Civil do Piauí convocou coletiva de imprensa nesta quinta-feira (30) para explicar o modus operandi da quadrilha especializada em roubo de cargas no estado do Piauí. A "Operação Carga" foi deflagrada pelo Grupo de Repressão ao Crime Organizado (GRECO) com apoio da Corregedoria da Polícia Militar do Piauí e da Divisão de Operações Especiais da Polícia Civil.

Na operação foram presos dois policiais militares. Em entrevista, o coordenador da operação, delegado Tales Gomes, disse que foram apreendidos uma pistola e uma balança de precisão com o cabo Wanderley Rodrigues da Silva, o W. Silva e uma pistola na casa do soldado Bruno Costa Oliveira. Esses policiais eram responsáveis por facilitar o transporte e a vendas de cargas, que saíam do Maranhão e tinham como destino o Piauí, principalmente a Capital, Teresina.

  • Foto: Hélio Alef/GP1Delegado TalesDelegado Tales

Ainda de acordo com o delegado Tales Gomes, o grupo atuava no estado do Maranhão, já que no Piauí poderiam ser reconhecidos. Não há indícios que os crimes aconteciam no Piauí, embora a polícia não descarte a possibilidade.

“No Maranhão temos as cidades de Caxias, Santa Inês, depósitos na cidade de Santa Inês para pegar carga roubada e mandar aos poucos para Teresina, para dificultar a fiscalização e abordagem. Os presos todos, assim como os que foram presos em janeiro e os que foram presos em dezembro, vão ser indiciados pro organização criminosa e roubo”, disse.

  • Foto: Hélio Alef/GP1Equipe do Greco Equipe do Greco

Modus Operandi

De acordo com o delegado Gustavo Jung, os presos podem ser considerados uma organização criminosa, tendo em vista a subdivisão de tarefas dentro do grupo.

“É o grupo subdividido e cada um em suas funções específicas. Tinha a pessoa responsável pelas informações dentro da transportadora das cargas, repassava as informações para essas pessoas que iam fazer as abordagens e os que fariam as abordagens e entregavam o material para aqueles que iam guardar os depósitos e aos poucos outros iam tirando do local para passarem despercebidos”, explicou.

  • Foto: Hélio Alef/GP1Material apreendidoMaterial apreendido

Policiais militares

Os policiais militares presos na operação aproveitavam a patente para passar despercebidos em abordagens policiais. Após a carga ser roubada, os produtos eram trazidos para Teresina aos poucos, para despistar a investigação.

“Os policiais militares entravam nessa realizando abordagens, uma das características de poder se utilizar de armas de fogo e passar despercebido em abordagens policiais e também faziam a realocação do material em depósitos específicos. Após isso aí todos eles faziam a comercialização da carga para terceiros, que inclusive são alvos de investigação do Greco”, continuou Jung.

Um dos PM's alvo da operação, o W. Silva já havia sido preso em dezembro 2017. O policial foi posto em liberdade, sob condições, no dia 17 de abril de 2018, após ser acusado de peculato circunstanciado, por ter, supostamente, se apropriado de R$ 304 mil apreendidos durante assalto ao Banco do Nordeste, em dezembro do ano passado.

  • Foto: Marcelo Cardoso/GP1Cabo W. Silva Cabo W. Silva

W. Silva também se envolveu em uma confusão com o cantor Saulo do Gado, em maio 2018. Na época o cantor acabou sendo baleado.

Investigação continua

O delegado disse ainda que a Polícia Civil do Piauí seguirá investigando roubo de cargas. “A investigação continua, não se encerra. A cada prisão que nós fazemos, a gente trabalha com mais informações, faz um link maior de informações, tanto do pessoal dos estados vizinhos do Maranhão e do Ceará, a gente passa a ter mais informações e identificar outros membros do grupo”, finalizou Jung.

Presos

Wanderley Rodrigues da Silva

Bruno Costa de Oliveira

Adolfo Cícero de Alencar Neto (preso em Fortaleza)

Josué Oliveira Santos

Francisco Félix

NOTÍCIA RELACIONADA

Greco deflagra operação e prende policiais militares em Teresina

Mais conteúdo sobre: