Eleições 2020

Maioria das capitais do Brasil terá decisão no segundo turno

Dados parciais da apuração indicavam que haveria necessidade de uma segunda rodada em 20 sedes regionais.

Por  Estadão Conteúdo
16/11/2020 09h59

A maioria das capitais terá disputa de segundo turno daqui a duas semanas. Segundo indicavam os dados da apuração até 1h desta segunda-feira, 16, a eleição estava definida ou tinha tendência de decisão em primeiro turno apenas em Belo Horizonte, Campo Grande, Florianópolis, Salvador, Palmas, Natal e Curitiba.

Em Porto Alegre, a rodada decisiva se dará entre Sebastião Melo (MDB) e Manuela D’Ávila (PCdoB). Com 100% das urnas apuradas, ele ficou com 31% e ela com 29%.

Eleito prefeito de Belém pelo PT em 1996, Edmilson Rodrigues, agora no PSOL, foi o mais votado na cidade no domingo. Mas não conseguiu votos suficientes para vencer no primeiro turno. Ele disputará a segunda rodada com o bolsonarista Delegado Federal Eguchi, do partido Patriota. Na última pesquisa Ibope antes da eleição, Eguchi estava empatado tecnicamente com o emedebista José Priante.

Em Rio Branco, o novo prefeito será conhecido somente no dia 29 de novembro. O candidato Tião Bocalom (PP) acumulou 49,6% dos votos e por pouco não venceu. A segunda colocada, Socorro Neri (PSB), teve 22,7%.

Em Manaus, o segundo turno vai opor Amazonino Mendes (Podemos) e David Almeida (Avante). Se eleito, Mendes comandará a capital amazonense pela quarta vez.

Em Porto Velho, o atual prefeito, Hildon Chaves (PSDB), vai disputar o segundo turno com Cristiane Lopes (PP).

Candidato do atual prefeito, Sarto Nogueira (PDT) confirmou o favoritismo com 36% dos votos válidos em Fortaleza. Ele foi acompanhado de perto pelo direitista Capitão Wagner (PROS), com 33%. O capitão chegou a receber apoio do presidente Jair Bolsonaro e do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Na capital maranhense, o deputado federal Eduardo Braide (PODE) ficou em primeiro, com 38% dos votos válidos. Ele vai disputar o segundo turno com Duarte Júnior, que está com covid-19 e por isso não foi votar.

Mais conteúdo sobre: