Agricolândia - PI

Prefeito Walter Alencar e esposa são presos durante operação do Gaeco

A operação IBI CLAUSUS foi realizada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) em parceria com a Polícia Civil do Piauí.

Andressa Martins
Teresina
Brunno Suênio
Teresina
08/10/2020 10h18 - atualizado 19h08

O prefeito do município de Agricolândia, Walter Alencar, e sua esposa Kelly Alencar, candidata a prefeita no município de Lagoinha do Piauí, foram presos em flagrante por crime eleitoral durante a Operação IBI CLAUSUS, deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) na manhã desta quinta-feira (08) em Passagem Franca e mais 6 cidades do Piauí.

Ao GP1, a coordenadora da Gaeco, promotora Débora Aguiar, informou que durante a execução de um dos mandados de busca e apreensão os promotores encontraram em um dos endereços do casal, no município de Agricolândia, vários materiais com uma lista contendo nomes de eleitores, com supostas vantagens indevidas, tipificando a prática de crime eleitoral.

  • Foto: Facebook/JardelKelly Alves de Alencar e Walter Alencar Kelly Alves de Alencar e Walter Alencar

O promotor de Justiça Mário Normando, que acompanhou as buscas, ressaltou que o material descrito na lista seria oferecido aos eleitores em troca de votos. “A Polícia Rodoviária Federal em conjunto com o Ministério Público e TCE apreendeu além da lista de eleitores com a respectiva vantagem indevida, uma série de bens que seriam oferecidos aos eleitores em forma de voto. Foram apreendidos também, na oportunidade, R$ 80 mil em dinheiro além de mais R$ 40 mil em cheques. Posteriormente, os fatos vão ser melhor apurados e tomadas as providências junto à Promotoria Eleitoral de Água Branca”, frisou.

Em razão do flagrante, o prefeito Walter Alencar e a esposa Kelly Alencar foram conduzidos até a seda da Delegacia Regional de Água Branca, onde foram autuados no art. 334 da Lei n° 4.737 de 15 de julho de 1965. “utilizar organização comercial de vendas, distribuição de mercadorias, prêmios e sorteios para propaganda ou aliciamento de eleitores. Pena: detenção de seis meses a um ano de cassação do registro se o responsável for candidato”.

  • Foto: Divulgação/GAECO-PIPolícia Civil em cumprimento ao mandado de busca e apreensão com o GAECOPolícia Civil em cumprimento ao mandado de busca e apreensão com o GAECO

Operação IBI CLAUSUS

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – GAECO – deflagrou a operação "IBI CLAUSUS" nas primeiras horas da manhã desta quinta-feira (08) com o objetivo de desarticular uma organização criminosa especializada em fraudes em licitações, capitaneada pelo prefeito de Passagem Franca, Raislan Farias, em conjunto com o prefeito de Agricolândia, Walter Alencar, que é proprietário de empresas com participação no esquema fraudulento no município de Passagem Franca, além de demais agentes públicos e empresários.

  • Foto: Divulgação/GAECO-PIEquipes da Polícia Civil e do GAECOEquipes da Polícia Civil e do GAECO

Em entrevista ao GP1, a coordenadora do Gaeco, promotora Débora Aguiar afirmou que as investigações que apuram ainda desvios de recursos públicos, organização criminosa, corrupção ativa, peculato e lavagem de dinheiro possuem 19 pessoas que estão sendo alvos de mandados de busca e apreensão em Passagem Franca, Agricolândia, São Pedro do Piauí, Barro Duro, Lagoinha do Piauí, Demerval Lobão e também em Teresina, onde está sendo cumprida a maioria dos mandados judiciais.

“O foco da investigação é o município de Passagem Franca com relação a fraudes em licitação, montagens de licitações para justificar pagamentos a empresas fantasmas, principalmente, e desvio de recursos públicos”, pontuou.

NOTÍCIA RELACIONADA

Prefeitos Raislan Farias e Walter Alencar são alvos de operação do GAECO

Promotor pede o bloqueio de R$ 3,4 milhões do prefeito Raislan Farias

Juiz põe prefeito de Passagem Franca Raislan Farias no banco dos réus

TCE vai julgar representação contra o prefeito Raislan Farias

Prefeito Raislan Farias vira réu na Justiça Federal